terça-feira, 12 de abril de 2011

Living a darkest hour (Vivendo horas negras)



Olá gente linda... Não sei se ja comentei mas a 12 anos luto contra a depressão... Por mais que tenha feito avanços sempre há recaídas quando se trata desse tipo de distúrbio...
Ultimamente, tenho estado sobrecarregada pelas obrigações do bendito curso que minha mãe me forçou a fazer! (ela diz que eu vou agradecer mas não sei se vai me sobrar juízo pra isso!) E por isso tenho demorado a atualizar o meu blog...
Bom, eu estou em um momento de recaída... tenho andado muito mal esses últimos dias... E, devido ao monte de tarefas desse curso, não tenho podido me dedicar as coisas que me fazem bem e me deixam tranquila como escrever por exemplo... O que não tem sido nada positivo nessa minha recaída... e está dificultando minha recuperação...
Bom... Eu quero compartilhar com vocês mais ou menos o que estou sentindo... Agora... aqui... enquanto digito essas palavras... Porque mais que meus leitores... tenho vocês como amigos...



Agony in my soul (Agonia em minha alma)


Nesse momento de escuridão... já não há em minha frente nenhuma luz de esperança;
estou aprisionada nas correntes dos meus medos, dos deveres impostos, do sofrimento reprimido...
Me perguntando qual o sentido de estar aqui... Percebendo o quão frágil é a alegria que rapidamente se dissipa na presença da angústia que corrompe a tempos meu ser...
Nesta gélida agonia cravada em minha alma, vejo mais uma vez o sangue de minhas feridas escoar incessante por sobre minha pele...
Meu olhar está longe a contemplar o deserto ao qual estou aprisionada...
Se foi a luz, se foram as alegrias, se foram os sorrisos, se foram os sonhos...
Meu ser está se contorcendo em desespero enquanto os martelos da rotina estão a quebrar impiedosamente os ossos de minha tranquilidade... da minha paz, do meu refúgio interior...
Não há mais palavras a serem escritas, sentimentos a serem compartilhados, amores a retratar...
Aqui, sentada tentando extravasar essa maldita angustia ainda atravessada em meu coração como um espinho de rosa no dedo da amante sonhadora, tento acalmar minhas lágrimas que como água em uma cascata de solidão percorrem meu rosto agora pálido e flagelado pela dor que ocupa meu coração...
Recaindo em um abismo do qual uma vez pensei ter me libertado... Voltando ao estágio um de um jogo que pensei ter vencido...



Pois é gente é isso...
Desculpem ter voltado pra dividir tristezas... Mas se aprendi algo em todo esse tempo é que nem só de cores é feita a vida...
A minha foi cinza muito tempo... e mais uma vez volta a ser...
Obrigada por me ouvirem!
Um beijo grande!
Design your universe!

Um comentário:

  1. Minha querida mais que linda, eu não sabia desse problema, é muito complicado isso, MEU MARIDO QUANDO NÓS nos casamos ele tinha esse problema, foi luta viu, ate que um dia ele resolveu deixar de lado tudo que o deixava assim,hoje posso falar que ele é uma pessoa mais forte nao se abala facil viu, ele tomou remedio e tudo, mais hoje graças a DEUS MARAVILHOSO que ele esta bem.Minha preciosa te digo uma coisa se vc nao gosta desse curso conversa com sua mae, nao adianta fazer uma coisa q vc v q esta te prejudicando emocionalmente,faça algo q vc se sinta bem, flor, é claro que os estudos são muito importante mais tem um limite ne?temos q fazer tudo q nos da prazer,quero q vc saiba que eu te entendo e te admiro muito e pode contar comigo sempre.TE AMO!e pedi a DEUS para ele te ajudar usa sua fé!acredita pois ele é contigo e nao esquece q aqui eu estou por vc.

    ResponderExcluir