quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Sonho (Fragmento)

Esse foi um sonho que tive no dia 05 desse mes...
[...] O vento ecoava na janela, produzindo sons assombrosos que muitas vezes faziam sua espinha congelar, ja devia passar da meia noite, não havia sequer um ruído que não fosse o produzido pelo vento forte que havia lá fora. Os olhos passearam novamente pelo quarto que tão bem conhecia, a luz da lua penetrava pela janela dando um brilho prateado de luz em torno do lugar, mais fixamente sobre sua cama, e ela adorava quando isso acontecia, observar o astro redondo emanando seus raios prateados fazendo com que o céu ate então negro e sombrio se iluminasse majestosamente. A cama era simples, de solteiro, a armação de ferro com grades de madeira ocupava um colchão de espuma revestido por um  tecido artesanal. O travesseiro anti-alérgico ocupada a cabeceira revestido com uma fronha floral combinava com o jogo de cama que envolvia o colchão. A silhueta esguia de Kate encostada de joelhos sobre a cama, a fina camisola de algodão envolvendo o corpo frágil era iluminada pela luz prateada da lua que chegava até o velho guarda roupas de madeira situado ao lado da cama.  Era tudo tão nítido, tão claro. O vento entrando pela janela e balançando seus cabelos por sobre os ombros, causando aquela gélida sensação de frio. Uma sensação forte fez seu coração acelerar, os ouvidos estavam atentos, os pelos de seus braços eriçaram ela podia sentir... ELE. O Olhar de Kate se virou com o movimento de sua cabeça,  a luz da lua parecia fazê-la brilhar, mas nada em sua paisagem era mais perfeita que ele. Olhando fixamente seu semblante parecia ser loucura, mas ele parecia diferente, os braços fortes ostentados pela camisa de mangas curtas negra como a noite pintada pelos raios lunares, era vista apenas pelo contraste de sua pele ligeiramente dourada, a calça jeans simples que se perdia na escuridão, ela fechou seus olhos e abriu novamente, não podia estar vendo direito, ele estava brilhando? Meneou a cabeça sem conseguir acreditar no que via. Parecia petrificada, ele se aproximou calmamente como o mesmo sorriso maroto que ela tanto amava, ao se aproximar da cama a luz da lua fez com que sua pele se iluminasse como se irradiasse dele ofuscando completamente sua visão, os olhos azuis dele faziam-na paralisar completamente como se aprendessem em seu mais profundo interior, ele tomou suas mãos entre as dele, tão macias e suaves que ela sentiu o arrepio percorrendo seu corpo, era tão real, não podia ser algo produzido pela sua mente, ela realmente sentia aquele toque. Ele sorriu tocando seu rosto tão macio que ela não consiga acreditar ser ela mesma. Seu corpo se moveu graciosamente para encontrá-lo, ele a envolveu em seus braços com ternura como se quisesse protegê-la de algo que nem mesmo ela poderia imaginar, ela podia sentir a pele quente encontrando a sua, causando aquela sensação de calor e proteção que ela tanto amava, os braços fortes segurando seu corpo com firmeza, era ele, estava ali... Tão real, tão completo.  Os braços de Justin a envolviam de tal forma que não haviam espaços entre seus corpos que pareciam se emoldurar. Ele abaixou o pescoço de Kate com suavidade enquanto seus lábios percorriam a pele quente, ele sentia o corpo dela pulsar sob seus lábios, em seus braços a luz parecia cegar Kate de tal forma que ela segurava nos braços de Justin com firmeza e sentia-se queimar com o toque dos lábios em sua pele que se arrepiava gradualmente. Logo, ele encontrou seus lábios, ávidos, macios, urgentes, que receberam os seus com inocência abrindo a boca deixando que Justin a invadisse, que a tomasse assim como a ela mesma, entregava-se inteiramente de corpo, de alma. Justin explorava-a com desejo, tentando ignorar as defesas de sua mente, defesas que a protegiam ate mesmo dele. O corpo dela foi deitado com gentileza sobre a cama e os lábios não se afastavam mantendo o beijo urgente e cheio de sentimento que compartilhavam, Justin acomodou-se sobre ela, as mãos percorriam seu corpo com experiencia e cautela pressionando-a. Kate sentia-se extasiada pela força de suas próprias emoções, seu corpo parecia fugir ao seu controle, estava imersa nos desejos e exclamações do seu ser a cada toque de Justin, a luz da lua iluminava a cama por sobre as costas de Justin como se os raios prateados saíssem de sua pele estavam ali, os dois, presos em seu desejo e emoção, unidos pelo sentimento forte que os prendia um ao outro, Kate não estava mais com medo, seu coração descompassado entregaria-se por completo para Justin, suas mãos percorriam a pele das costas dele, quentes e firmes; Justin sentiu a pele delicada dos seios dela sob seu peito, pressionados e isso o fez arfar entre os lábios dela como se o seu corpo e seus pensamentos não estivessem mais raciocinando com exatidão e cada vez mais o levando para longe de tudo que não era ela...
Abrindo os olhos, Kate viu a manhã estender-se através de seu quarto, o sol ja estava alto, provavelmente estava tarde. Um peso enorme em seu peito fez as lágrimas brotarem em seus olhos ardendo, caindo como se fossem ácidas, corroendo a pele frágil de seu rosto. A respiração pesada fez com que se sentasse na cama, escorando-se ao travesseiro que antes acolhia sua cabeça perdida no doce devaneio daquele sonho que agora parecia tão amargo. Abraçando o grosso lençol que envolvia seu corpo, sentindo as lágrimas inundarem a camisola de algodão, Kate se sentia perdida, sozinha. A imagem de Justin era tão viva em sua mente, e aquele brilho que parecia emanar dele, como se estivesse iluminado, como se tivesse atingido o mais alto ápice da perfeição completa, seu coração parecia contrair-se dentro do peito, ela se sentia enjoada, vulnerável, e olhando novamente a cama, sozinha. [...]

Nenhum comentário:

Postar um comentário