terça-feira, 17 de julho de 2012

In Love

Como eu havia dito, publicarei aqui um dos meus livros, espero que vocês gostem! Todo dia que eu entrar no blog, tentarei deixar um capitulo! Beijokas gente!

In Love

Prólogo


Eram duas e meia da manhã quando Nicole sentiu o líquido escorrendo pelas suas pernas, a bolsa havia se rompido, as dores do parto se faziam intensas em todo seu corpo como se o deixassem dormente, a hora havia chegado, a pequena Katie viria ao mundo. Rapidamente Alex a levou para o hospital, sempre segurando em sua mão, era uma cesária, os médicos estavam atentos a todos os batimentos da jovem de vinte e dois anos que parecia não ter força o bastante, a filha era tudo em que ela conseguia pensar, contemplou os olhos doces de Alex que temiam pela sua vida. Apertando a mão dele com força ouviu o choro da pequena Kate e seu coração de mãe se encheu de vida e felicidade. Ver o pequeno rostinho da filha se acalmando ao sentir o cheiro da sua pele, ouvir os sonares suaves da pequena Katie, maior símbolo de seu amor com Alex era tudo pra ela...


- Meu amor... Mamãe te ama tanto...


A felicidade que envolvia aquele momento parecia inabalável, de fato tudo pelo qual haviam passado valera a pena. Agora havia apenas a família que parecia ser perfeita... Inabalável... Indestrutível, completamente feliz... Pelo menos foi o que Nicole pensou. Os olhos da filha foram a última coisa que vira antes de sua vida inteira desabar pelo que parecia ser para sempre... Quando acordou estava em um quarto de hospital comum, o branco das paredes aliado à claridade da janela situada na parede à sua direita irritou os olhos de Nicole fazendo-a comprimi-los.


- Nic? – A voz de Adam parecia uma música suave em seus ouvidos, abrindo os olhos ela fitou os suaves olhos castanhos sob sobrancelhas levemente espessas.


- A-Adam?


- Oi nova mamãe! Como se sente?


- To bem... Onde está a minha filha?


- No berçário, ela é linda amiga, parabéns!


- E o Alex?


Adam hesitou.


- Nic... Fica calma ta bom?


Enquanto ela o ouvia as lágrimas caíam pelo seu rosto em um misto de dor e desespero que pareciam dilacerar-lhe por dentro, preocupado Adam chamou uma enfermeira que sedou Nicole que estava muito nervosa, com os olhos marejados ele olhou pela janela com um misto de dor e raiva inflamando seu peito. Como Alex fizera aquilo? Entendia que ele estava abalado, mas não justificava a sua atitude. De uma coisa ele estava certo, Nicole não estaria sozinha nunca, ele não ia deixar. Virando o rosto para ela sentiu seu coração acelerar enquanto observava-lhe o delicado semblante.


Após a retirada dos pontos algumas semanas depois, Nicole foi com a filha para casa acompanhada por Adam. Ela estava distante, abatida ainda em choque com a notícia que recebera. Ele a ajudou a entrar e perguntou se ela queria comer alguma coisa, ela negou com a cabeça.


- Amiga, ei... Não fique assim.


Nicole parecia distante, segurava a filha nos braços. A pequena menininha de apenas semanas de vida estava tão quieta e parecia tão sublime que a visão chegava a aquecer o coração de Nicole, mas não o bastante para aplacar a dor que ela sentia naquele momento. Adam estava ficando preocupado, levou as coisas da pequena menininha para o quarto e acompanhou Nicole até seu quarto.


- Voce vai ficar bem? – Ela não respondeu. – Nicole ta me assustando?


Respirando fundo, Nicole assentiu com a cabeça e então Adam a deixou, um pouco apreensivo, antes de cruzar a porta do quarto observou a expressão distante e aparentemente alheia à realidade do rosto da amiga outrora tão doce e radiante de felicidade. Atravessando o corredor ele chegou à porta principal e pensou um pouco antes de atravessá-la, não achava prudente deixar Nicole sozinha naquele estado, mas confiaria no bom senso da amiga e nesse momento a raiva que sentia de Alex aumentou ainda mais.


*** Duas semanas depois ***


Eram por volta de nove e meia da noite, o frio estava intenso, havia duas semanas do ocorrido entre Alex e Nicole, ele havia ido embora dois dias depois que Katie nascera. Adam precisava ver a amiga, sabia que ela não estava nada bem, desde que conversara com ela pelo telefone sobre o que havia acontecido percebera que ela estava mal. Quando se aproximou da casa escutou o chorinho de Katie intenso, estranhando aquilo se aproximou da porta batendo:


- Nicole? Amiga ta ai?


Nenhuma resposta. Katie continuava chorando desesperadamente, ele sabia que aquilo era um sinal de que algo estava errado, forçando a porta percebeu que a mesma estava aberta e um gelo percorreu sua espinha. Entrando rapidamente em casa ele correu para o quarto de Katie que estava no berço, aproximando-se ele pegou a menininha no braço aninhando-a, ela se acalmou aos poucos:


- Tudo bem meu anjo... Titio ta aqui... Onde está a mamãe? O que aconteceu?


A menininha se mexia inquieta em seus braços, soltando leves resmungos, o desespero começava a tomar conta de Adam a cada segundo, ele começou a caminhar lentamente ate o quarto de Nicole entrando cautelosamente, poderia haver alguém na casa, ele tinha que estar preparado para tudo. Ouviu o barulho de água no banheiro e notou que escorria por debaixo da porta como se inundasse o lugar. Colocando Katie na cama ele se aproximou e abriu a porta.


A visão do corpo de Nicole dentro da banheira inundada fez seu corpo tremer. A mão pendia sobre a borda da banheira e no chão um frasco de calmante vazio. Puxando-a para fora da banheira ele levou-a nos braços ate o quarto colocando-a no chão. Os olhos encheram de água, erguendo um pouco o pescoço dela ele se desesperou ao perceber que ela estava muito fria, os lábios roxos e não respirava:


- Não... Não... Abre os olhos... Volta Nicole! VOLTA!


A respiração boca a boca e a massagem cardíaca logo fizeram o efeito esperado, cuspindo água, ela começou a respirar novamente, fazendo com que o peito de Adam se acalmasse por um momento. Rapidamente ele ligou para a emergência e voltou a olhar Katie que permanecia na cama chorando como se sentisse a situação. Nicole tremia muito, o desespero de Adam aumentava a cada minuto. As sirenes da ambulância soaram cada vez mais perto e ele foi com ela para o hospital, levando Katie consigo, acalmando a menina aos poucos.


Nesse momento ele olhou para Katie em seus braços e chegou a amaldiçoar Alex, se algo acontecesse a Nicole ele mesmo o procuraria e quebraria seus ossos inteiros. Ela nunca estaria sozinha, ele tinha convicção de que não a deixaria, e voltando a olhar Kate já quieta em seus braços, ele se perguntava o que estava sentindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário