terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Blank Infinity (Vazio Infinito)


Pequenos fragmentos dispersos, me cortando sem ao menos dar-me um motivo... Desorientada pelo sangue que se esvai do meu corpo vago as ruas da solidão sem saída, sem a luz dos meus olhos, sem o pulsar do meu coração... Estarei eu viva? Ou apenas sobrevivendo os dias apáticos aos quais fui condenada?
não encontro respostas para os questionamentos que vagam enlouquecendo minha mente e deixando ainda mais cinza os meus dias, quebrantando meus sonhos já fracos pela agonia silenciosa a qual minha alma está entregue....
Sozinha, vagando a estrada sem direção tento proteger meu ser das sombras mas parece não haver luz no fim deste túneo... O vazio infinito elança meu frágil corpo dessangrado meus dias afundam na mesmice rotineira sem espaço para o brilho das estrelas que outrora me trouxeram tanta esperança, uma esperança que ja não se encontra no meu coração....
Não obstante meu espírito não se deixa abater mesmo na dor confia... e talvez cego, caminha trilhando sua jornada eterna em busca da infundada sensação de realizar aquilo que no fundo é a felicidade que meu coração anseia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário