quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Guia de Sobrevivência do NaNoWriMo 2017!


Olá, pessoas!

Como participante do NaNoWriMo pelo terceiro ano consecutivo (e vencedora nos dois anos anteriores) vim fazer esse post para dar uma forcinha não apenas para quem ainda não conseguiu atingir a marca de 50k nos anos anteriores, mas para quem está participando do programa pela primeira vez. Assim como expliquei no post anterior, o principal objetivo do evento é criar disciplina e organização na escrita, por isso, se você está participando pela primeira vez, aqui vai algumas dicas que podem fazer toda diferença nesse percurso árduo de trinta dias. 
Acredite, pode ser mais difícil do que você imagina, mas não é impossível!

1. Planeje para se livrar da síndrome do papel em branco.
Se vai participar com uma história original (até mesmo sua primeira história), um bom planejamento pode te salvar da tão temida síndrome do papel em branco, que é quando você abre o arquivo do word e não tem ideia de como começar a história. Aqui no blog, na aba Escrita, tem algumas dicas que podem ser úteis no planejamento. Ainda dá tempo de fazer uma outline e uma listinha breve de personagens. Tenha em mente onde sua história se passa e como ela termina, se souber onde ela termina (e como) vai saber como começá-la para que chegue ao desfecho que você quer.

2. Organize seu tempo.
Para mim essa sempre é a parte mais difícil e esse ano será ainda mais desafiador. Sei bem que muita gente trabalha, faz faculdade ou cursinho, há mil e uma coisas no nosso caminho. Lembre que seu intuito é criar disciplina na escrita e, para isso, você precisa de um tempinho reservado só para se dedicar ao seu livro. Veja um horário bom para você e, todos os dias, naquele horário, sente-se para escrever. Use aplicativos para ajustar o tempo, marque o despertador para não perder o horário, o importante é que você escreva todo dia. 

3. Desligue as redes sociais.
Essa vai pegar muita gente, eu sei! Sim, pessoal, é importante que você mantenha o foco no livro. Pode parecer pouco 1667 palavras se você já tem prática, mas mesmo assim, não é tão simples de conseguir principalmente se você não tem esse hábito. Por isso, manter seu foco no que está fazendo não apenas vai garantir que o processo seja mais prazeroso, mas vai ajudar a dar menos dor de cabeça no processo posterior ao desafio: corrigir e reescrever.

4. Não seja paranoico com a perfeição!
Gente, essa é principalmente para aqueles que vão escrever o primeiro livro, entendam pelo amor de Deus que o primeiro rascunho é só isso: um rascunho. Seu livro não está pronto quando você termina de escrever. Ele está pronto quando você reescreve. Por isso, não fique preso a ideia de perfeição ou de escrever a melhor história do mundo, nem fique paranoico com revisões de cada capítulo. Use esses trinta dias como um exercício, apenas conte a sua história do jeito que quiser contar, deixe a revisão para depois, que aí, enquanto revisa, você reescreve. Fique relaxado e apenas escreva, quanto menos pressão você colocar em si mesmo mais fácil e proveitoso será o desafio. Alguns dizem que no NaNoWriMo você pensa na quantidade e depois do desafio na qualidade, se esse mantra te servir, faça uso dele. 
5. Não fique obsessivo com as 50 mil palavras.
O NaNoWriMo é um desafio difícil, conheço muito autor de mão cheia que não consegue atingir a marca de 50 mil palavras no mês. Não fique obcecado com isso, se é seu primeiro NaNo, vá tranquilo, faça o que puder e se mesmo com a organização do dia não conseguir atingir os 50k no final, não fique desanimado, você conseguiu uma boa experiência e vai rever suas dificuldades para tentar de novo ano que vem!

6. Se precisar, acumule palavras. (Mas não faça disso um hábito!)
Às vezes, por alguma razão, não temos tempo para escrever em um dia específico ou não conseguimos atingir a marca de 1667 palavras diárias. Se isso acontecer com você, conte as palavras faltantes e deixe para repor no dia seguinte, mas não faça disso um hábito, quanto mais palavras acumuladas, mais uma bola de neve cresce e isso pode acabar afetando seu desempenho no desafio.

7. Afugente o fantasma do bloqueio!
O bloqueio criativo que tanto se fala pode acontecer por N motivos, mas a grande maioria deles vem da pressão que o autor coloca sobre si mesmo. Tente estar sempre relaxado, você tem uma história incrível para contar, deixe-a sair no seu próprio tempo e ritmo. Faça uma playlist se isso te ajudar, pense em músicas para as cenas, veja filmes variados, clipes musicais, faça pesquisas sobre temas que poderia adicionar no seu enredo, isso pode ajudar não apenas a relaxar você, mas a trazer novas ideias.

8. Participe com uma turminha!
Ter amigos participando do projeto é sempre melhor, no NaNo de 2015 eu participei junto com duas colegas, nossas conversas ao longo do desafio me ajudaram não apenas a permanecer firme quando me sentia desmotivada, mas a trocar ideias mesmo. Montem um grupinho online se puderem, até mesmo live na hora de escrever ou no intervalo para conversar sobre o andamento da obra e possíveis trocas de ideias para os enredos. 

9. Divirta-se!
Gente, escrever é um trabalho difícil e muito sério, há muitos fatores que você tem de pensar para escrever um livro, mas, sobretudo, você precisa fazê-lo porque gosta do que faz, sente prazer em contar histórias, o seu trabalho é diversão. E o NaNo é principalmente isso, não é apenas para disciplinar-se enquanto autor, mas para interagir, trocar ideias e se divertir com o processo. Não pressione a si mesmo, esqueça as paranoias e mergulhe no seu universo, no seu mundinho da lua (como diz minha mãe), coloque fones de ouvido com sua música favorita e mergulhe na sua história, viva e sinta cada cena, esqueça o mundo à sua volta e se divirta com a sua criação. Se fizer isso, essas emoções vão transbordar no papel e seus leitores vão sentir o que você sentiu ao escrever.

É isso, galerinha! Espero que essas diquinhas ajudem vocês a sobreviver aos 30 dias de desafio e espero mesmo que vocês consigam atingir o propósito do desafio e pegar o diploma de vencedor! Contem comigo no processo e Let's Write! 

Ponte em Chamas - John Flanagan

Título Original: The Burnning Bridge
Título no Brasil: Ponte em Chamas
Autor: John Flanagan
Série: Rangers Ordem dos Arqueiros #2
Gênero: Fantasia, aventura
Ano: 2005 (Original) 2009 (Brasil)

Sinopse: Nos últimos quinze anos, o temível Morgarath conseguiu reunir um enorme exército de criaturas implacáveis, os Wargals. Eles não temem nenhum inimigo e são controlados mentalmente pelo próprio Morgarath, o Senhor da Chuva e da Noite.
Pego de surpresa, o Reino de Araluen se vê diante de uma guerra. Enviado em uma perigosa missão para impedir o confronto, o jovem arqueiro Will parte acompanhado do grande amigo e espadachim Horace e do habilidoso Gillan. Os três guerreiros contarão também com a inusitada ajuda da misteriosa e bela criada Evanlyn Wheeler. Nessa jornada, Will colocará à prova todos os ensinamentos de coragem e aptidão transmitidos pelo seu mestre, o famoso arqueiro Halt.
Mas o que o jovem não imagina é que ficará frente a frente com o tenebroso Morgarath e que poderá ser o responsável por mudar o rumo da eminente batalha. Será mais um teste de coragem e determinação, em que Will terá de provar seu valor.

Na sequencia de Rangers, Will é convocado por Gilan, juntamente com Horace, para uma expedição até Céltica na intenção de recrutar o exército do rei Celta na guerra que Morgarath está prestes a fazer eclodir. Contudo, ao chegarem aos arredores da cidade, notam algo errado: os habitantes sumiram e os indícios apontam para uma fuga em massa e desesperada. Apenas quando mais tarde são atacados por bandidos o pequeno grupo descobre que Morgarath, com um exército de Wargals dizimou as cidades e levou os mineiros como escravos, matando os remanescentes que não conseguiram fugir par ao sul do reino. Uma menina remanescente de Araluem que estava na ocasião do ataque se junta ao pequeno grupo para retornar à cidade em segurança. Will fica pensativo ao lembrar do seu fracasso em uma missão na qual errou as flechadas em um wargal por ficar muito nervoso, com a confiança em si mesmo abalada, ele é reanimado por Gilan e Horace, que descobrem os planos de Morgarath para a batalha contra o rei Duncan. 
Gilan, sabendo da importância do que descobriram, decide ir na frente, deixando Will no comando da expedição de volta a Araluen. Contudo, quando estão voltando, os garotos descobrem que Morgarath, está usando os mineiros para construir uma ponte que o levará direto para cima do exército do rei e usará uma tática com os escandinavos que não dará a Duncan nenhuma chance de escapatória. Com a ajuda de Horace e da garota, Evalyn, eles armam um plano para deter o senhor da chuva e da noite queimando a ponte, mas Will e Evalyn são capturados pelos escandinavos e apenas Horace consegue fugir para contar as descobertas para o rei.
Gilan acaba descobrindo que Evalyn, na verdade é Cassandra, a filha do rei Duncan, ela usara uma identidade falsa para se manter incógnita. Quando Horace aparece e conta o que aconteceu com Will e Evalyn, a guerra contra Morgarath já está muito em cima para que se pense em enviar uma equipe de busca, enquanto isso, os dois ficam em posse dos escandinavos que, apesar de serem rudes, não são realmente pessoas cruéis. Graças a Horace, Duncan consegue com a ajuda de Halt, virar a mesa contra Morgarath e o senhor da chuva e da noite vê em Will sua única chance de se vingar do arqueiro que lhe levou a derrota quinze anos atrás. 
Uma das melhores coisas nessa série é que Will é um personagem tão imperfeito que a gente se sente muito próxima dele enquanto lê, compartilhando seus pensamentos e sensações nos momentos de maior tensão, mas ao mesmo tempo ele é inteligente e capaz, cheio de coragem e determinação. A narração de Flanagan é tão leve e fácil que quando menos se espera você terminou o livro. Por alguma razão, achei o primeiro livro mais interessante que a sequência, contudo, também super indico Ponte em Chamas, assim como acredito que indicarei a série inteira. 

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Vem aí: NaNoWriMo 2017!


大家好! Como estão?

Daqui uma semana e três dias vai começar mais uma edição do NaNoWriMo e, como faço todos os anos, venho mais uma vez apresentar um pouco do programa para vocês (ou relembrá-los) e convidá-los a encarar esse desafio. Esse será meu terceiro NaNo, participei em 2015 e 2016 conseguindo vencer os dois anos e fiquei realmente muito feliz, porque apesar de parecer algo simples é um desafio bem difícil.

Mas o que é o NaNoWriMo?

Em inglês National Novel Writing Month ou Mês Nacional de Escrever Novela em português (e aqui abrimos um parêntese para esclarecer que novel em inglês quer dizer romance, não novela como estamos acostumados a ver na TV, mas o romance propriamente dito e, por romance, entende-se narrativa longa e não a relação amorosa de personagens num contexto), é um programa criado em 1999 por um escritor freelancer chamado Chris Baty que reuniu 21 participantes em São Francisco. Em 2000, o evento foi mudado para o mês de novembro, tendo nesse mesmo ano o website lançado e reunindo 140 participantes! O objetivo do programa é criar disciplina na escrita, o desafio é escrever 50.000 palavras dentro dos 30 dias de novembro, ou seja, 1667 palavras por dia.

Como Funciona?

Participar no NaNoWriMo é muito simples, não paga nada e é muito benéfico para qualquer pessoa que deseja não apenas o desafio, mas os autores inciantes ou mais maduros que querem se disciplinar e escrever todo dia. Você se cadastra na plataforma e anuncia sua novela, mas não vale trapacear, hein? O desafio começa a valer no dia 1º de Novembro, então, mesmo que já tenha começado a história, você vai começar a contar apenas as palavras que escreveu no dia 1º desconsiderando as anteriores; diariamente, você vai atualizando na plataforma quantas palavras escreveu no dia e ele vai contabilizando e pondo seu progresso em um gráfico que te diz quantas palavras faltam para alcançar a marca de cinquenta mil. 

Posso usar um livro que já comecei?

Sim. Rascunhos antigos, histórias inacabadas, livros em andamento ou uma ideia novinha em folha, vale tudo! O objetivo é criar o hábito de escrever todo dia. 

Como faz para se cadastrar no site?

Você acessa: https://nanowrimo.org/ e clica em sing up, faz seu cadastro normal (o site está em inglês), vai aparecer uma página chamada dashboard em que vai pedir para você anunciar sua novela, basta preencher com a sinopse, o título e, se tiver, uma capa para ela. Pronto! 
Convide amigos para participar com você, com muita gente sempre é mais divertido! E para quem quiser me adicionar só clicar Katherine Wheel!
Espero vocês lá! 

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

[Chinês] Uso de "ou" em frases interrogativas 还是

Como eu avisei da última vez, as aulas ficariam suspensas porque meu celular havia quebrado e não tinha como continuar as aulas. Acabei comprando outro (quer dizer, meu pai comprou outro), e ele chegou semana passada! Não perdi tempo e, mal carregou já baixei o app (pra quem não sabe qual é eu avisei isso no primeiro post de apresentação da lingua aqui no blog) e fiz uma revisão das aulas feitas até hoje. Então, hoje vamos a perguntar por preferências usando ou.

还是 (háishì) seria o equivalente a ou em português, é geralmente usado para escolher entre duas opções. Só deve ser usado em perguntas, sua estrutura é a seguinte: 

SUJEITO + VERBO + OBJETO A + 还是 + OBJETO B?

OBS.: Não é necessário o uso da partícula interrogativa 吗 para este tipo de oração.

Ex.: 你喜欢蓝色还是绿色? (Nǐ xǐhuān lán sè háishì lǜsè?)
        Você gosta de azul ou verde?
        我喜欢蓝色。(Wǒ xǐhuān lán sè.)
        Eu gosto de azul.

Vocabulário:
蓝色 (lánsè) - azul
黄色 (huángsè) - amarelo
金色 (jīnsè) - dourado
棕色 (zōngsè) - marrom; castanho
还是 (Háishì) - ou

Ideogramas da Lição
lán 

Componentes do ideograma:
艹(cǎo) - grama
〢s/s
(wǔ) s/s
丶(diǎn) - ponto
皿 (mǐn) - prato

hái

componentes do ideograma:
不(bù) - não
辶(chuò) - caminhar

jīn

Exercício

  1. 他的眼睛是蓝色的。(Tā de yǎnjīng shì lán sè de.)
  2. 我的鞋子是黄色的。(Wǒ de xiézi shì huángsè de)
  3. 她的头发是 ______________的. (Branco) (tā de tóufǎ shì ——— de)
  4. 我的外套是棕色的。(wǒ de wàitào shì zōngsè de)
  5. 你喜欢黄色还是绿色? (nǐ xǐhuān huángsè háishì lǜsè?)
  6. 你系黄金色还是黑色?(Nǐ xì huángjīn sè háishì hēisè?)
  7. 你喜欢瑾色还是棕色?(Nǐ xǐhuān jǐn sè háishì zōngsè?)
  8. Amarelo.
  9. Você gosta de marrom ou vermelho?

terça-feira, 10 de outubro de 2017

O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares (Livro + Filme)

Título Original: Miss Peregrine's Home for Peculiar Children
Autor: Ramsom Riggs
Ano: 2016 (Intrínseca)
Páginas: 352 (Intrínseca)
Sinopse: Jacob Portman cresceu ouvindo as histórias fantásticas que o avô, Abe, contava. Na época da Segunda Guerra Mundial, o avô havia morado numa ilha remota, num casarão que funcionava como abrigo para crianças. Lá, Abe convivera com uma menina que levitava, uma garota que produzia fogo com as mãos, um menino invisível… Entretanto, todas essas histórias foram perdendo o encanto à medida que Jacob crescia. Até que, aos dezesseis anos, tudo volta à tona para se provar real.
Abalado com a morte misteriosa do avô, Jacob decide ir à tal ilha para tentar entender as últimas palavras de Abe: “Encontre a ave. Na fenda. Do outro lado do túmulo do velho.” Ele encontra o casarão em ruínas, mas, ao passar por um túnel subterrâneo, o menino se vê em outra época, décadas atrás: em 3 setembro de 1940. Nesse lugar protegido no tempo, ele conhece crianças com habilidades peculiares e encontra as respostas para todas as suas perguntas. Mas o fascínio inicial logo se transforma em uma luta para sobreviver e salvar a vida de seus novos amigos.
Viagens no tempo, mulheres que se transformam em aves, crianças com dons inusitados e monstros à espreita. Bem-vindo ao lar da srta. Peregrine para crianças peculiares, um fascinante mundo novo pronto para ser descoberto.

Minha irmã comprou esse livro na Avon por motivos de curiosidade mesmo, eu já havia ouvido falar muito sobre ele na época de lançamento, inclusive o filme era só sobre o que o povo falava, mas assim como aconteceu com as músicas, eu estava muito ligada na Ásia para dar importância e o enredo na época não me chamou atenção. Contudo, uma vez que ela comprou e eu tivera que tirar Enquanto Bela Dormia da minha meta de leitura porque meu celular quebrou, acabei substituindo-o no lugar, esse ano eu li pouco, 27 livros na meta, vou ver se chego pelo menos em 30. Mas bem, como deu para ver na sinopse, o livro conta a história de Jacob Portman, um rapaz que cresceu ouvindo as fantásticas histórias do avô, um veterano da segunda guerra que era obcecado com armas e teimoso como uma mula. Jacob sempre admirara muito o avô com quem era mais apegado que o próprio pai. 
Contudo, conforme foi abandonando a infância, os relatos fantásticos do avô começaram a parecer cada vez mais infundados, ainda que este tenha lhe mostrado fotografias antigas, Jacob estava certo que as fotos eram manipuladas e seu bom e velho avô estava perdendo a lucidez, vitimado por suas terríveis memórias da guerra e da perda de toda sua família por ocasião do regime nazista. Assim, Jacob segue com sua vida desinteressante trabalhando na loja da família e fazendo todo possível para ser demitido, tentando buscar um sentido na sua vida entediante e um ideal para não afundar na mesmice. Até que seu avô telefona, histérico, pedindo a chave do seu armário de armas, achando que é outra alucinação do velho senhor, ele tenta tranquilizá-lo por telefone, mas não dá muito certo, frustrado e já louco para sair da loja de toda maneira, ele decide ir até a casa do avô.
De carona com o único amigo que tem, ele chega à casa de Abraham Portman no fim da tarde, o velho homem mora em um bairro afastado e quase sem população alguma, em uma das últimas casas da rua. Assim que chega, Jacob já percebe que algo está errado quando tudo na casa está uma bagunça e o avô não está em parte alguma. Quando finalmente o encontra, é tarde demais, o velho senhor estava brutalmente machucado envolto em uma poça de sangue. As últimas palavras direcionadas ao neto são codificadas e, para agravar ainda mais a situação, Jacob ainda vê a horrenda imagem do seu assassino, um monstro saído dos mais doentios pesadelos. Claro que ninguém acredita na palavra dele, a partir daquele momento, Jacob Portman passa a ser o adolescente que perdeu o avô e entrou em choque.
Em meio a discussões com os pais e consultas psiquiátricas que ele odeia, a oportunidade de finalmente encontrar a verdade sobre o passado do avô surge em uma carta de Alma Peregrine que Jacob achou dentro de um livro que lhe foi dado pela tia e estava endereçado a ele pelo avô. Assim, ele e o pai viajam para o País de Gales, em uma ilhota no meio do nada, para que Jacob finalmente descubra que as histórias do avô eram fictícias e consiga, assim, seguir em frente. Em suas explorações, ele encontra uma casa abandonada com mais fotos iguais as que seu avô havia lhe mostrado, até que as crianças naquelas fotos se materializam dentro da casa, para seu espanto, e, seguindo uma delas, ele volta no tempo para 3 de setembro de 1940 onde descobre o Orfanato da Senhorita Alma Peregrine e as crianças Peculiares que ele vira em fotos e julgara serem imaginação do avô e montagem de algum fotógrafo habilidoso.
Ao adentrar no mundo mágico, Jacob vai descobrindo que nem tudo são flores e que o avô não apenas estava fugindo de uma ameaça que ia além da sua imaginação como agora, o próprio Jacob era alvo de um inimigo perigoso e cruel que ameaça todos os peculiares ao redor do mundo. A convivência no orfanato e a aproximação com Emma Bloom, ex-namorada do seu avô, vão mudar completamente a visão que Jacob tem do mundo, da sua vida e do seu futuro. Na luta contra os etéreos e os acólitos, ele vai descobrir uma força que até então não sabia que tinha e a sua própria peculiaridade.
Achei o livro montado de forma muito inteligente e a história, além de original, é muito boa. Uma mescla de suspense, romance, mistério, ação com um toque sombrio e macabro por trás, mas não é um livro de terror, não assusta tanto assim, contudo, a maneira que o autor escreve por alguma razão não me cativou. Não sei o que houve, mas mesmo me sentindo presa pelo mistério que envolve a história, não me sentia presa pela forma como ele desenvolvia a narrativa, a maneira como organizava as palavras, como as apresentava para nós. Isso me deixou um pouco inquieta, contudo, é realmente uma boa história, cheia de reviravoltas e com uma trama muito bem elaborada.  

O FILME

Título Original: Miss Peregrine's Home for Peculiar Children
Título no Brasil: O Lar das Crianças Peculiares
Direção: Tim Burton
Gênero: Aventura, Fantasia
Ano: 2016
Elenco:  Allison Janney
Asa Butterfield
Eva Green
Ella Purnell
Judi Dench
Samuel L. Jackson

Sinopse: Quando seu querido avô falece deixando pistas sobre um lugar mágico, Jacob viaja para uma ilha galesa e encontra um orfanato abandonado. Lá, o mistério e o perigo se aprofundam quando ele começa a conhecer o local e os seus moradores: crianças com poderes especiais conhecidas como peculiares e a Senhorita Peregrine, uma peculiar que comanda o orfanato e cuida dos jovens. Jacob também conhece os acólitos e etérios, inimigos poderosos de seus novos amigos, e, em última análise, descobre que apenas a sua própria peculiaridade especial pode salvá-los.

Vocês sabem que eu sou desenganada com essa história de adaptações, né? Quando eu vejo que "vai adaptar" já fico com um pé atrás. Eu já sabia dessa adaptação antes de começar a ler o livro, consequentemente, conforme ia lendo, já desconfiava que fariam cagadas (com o perdão da palavra) no momento que fossem adaptar, mesmo a direção estando nas mãos do aclamado Tim Burton tão conhecido pelo Nightmare before Christmans e Corpse Bride. Não vou me deter muito nisso, apenas dizer que em comparação ao livro, a adaptação não tem basicamente nada a ver a partir de determinado momento. Jacob (Asa Butterfield, O menino do Pijama Listrado; A invenção de Hugo Cabret) é um jovem excluído que trabalha em um supermercado e vê toda sua vida mudar quando seu avô morre e ele acaba vendo o gigante do labirinto do fauno com línguas que imitam tentáculos de polvo. A coisa já começa errada, no livro, Shelley, que é a chefe de Jacob detesta o garoto, eles vivem em pé de guerra porque ele faz de tudo para ser demitido, mas não pode ser demitido (porque tecnicamente a loja é dele). O único amigo dele foi excluído da história. O psiquiatra, doutor Golan, virou uma mulher (What?), teve a festa de aniversário e ele recebeu o livro do avô que continha um postal da senhora Peregrine (postal, não carta.) então ele acha uma boa ideia viajar até o país de Gales pra se certificar do que o avô queria que ele conhecesse. 
Na sua exploração dentro da casa abandonada, ele acaba sendo assustado pelas crianças e na fuga cai de cara no chão e fica desacordado. Elas então levam ele pra fenda (que é uma caverna e não um túnel) porque a Ave (Eva Green,  Penny Dreadful;) já estava a espera dele. E a senhorita Peregrine é uma mulher controladora e maníaca por horários. Eles simplesmente trocaram as habilidades de Emma e Olive, ao que parece, pelas resenhas que vi depois que terminei o livro, colocaram partes de Cidade dos Etéreos no filme também, por isso algumas cenas não fizeram o menor sentido e o final foi tipo Oi?! Muito nada a ver mesmo, a história se perdeu muito, as personagens foram totalmente modificadas, algumas viraram crianças mesmo, toda a história YA virou uma mistura de Piratas do Caribe com Percy Jackson. Não sei qual foi a intenção deles quando pensaram que estavam adaptando o livro (mas imagino que tenha sido meramente dinheiro) só que acredito que qualquer pessoa consciente que leu o livro vai admitir que essa adaptação está péssima, contudo, se você assistir como um filme isolado e paralelo ao livro, desconsiderando os acontecimentos do mesmo, dá pra passar o tempo como um filminho para crianças. Eu particularmente não gostei.

sábado, 7 de outubro de 2017

A Mais Bela de Todas - Serena Valentino

Título Original: Fairest of all
Título no Brasil: A mais bela de todas
Ano: 2016
Páginas: 272
Autora: Serena Valentino

Sinopse: Ela é a primeira vilã da Disney. Apesar da beleza exuberante, é invejosa e extremamente má. Capaz até de pedir a um caçador o coração da doce e ingênua princesa do reino, ela chega a envenenar uma maçã para conseguir se livrar de sua rival. Mas toda história tem dois lados, não é verdade? Será que você conhece realmente a origem da Rainha Má? Este livro vai te contar uma história desconhecida até então. Ela é sobre amor e perda, com uma pitada de magia. Descubra aqui o que se esconde por trás do olhar enigmático da mais bela de todas.

Toda história tem dois lados, mas é interessante como, quando crianças, não somos levados a pensar nisso. Sempre nos foi mostrado apenas o lado da princesa atacada e nunca imaginamos que haveria um porquê por trás da maldade, um motivo, uma história. Nenhum vilão é gratuitamente ruim, contudo, é assim que acreditamos quando somos crianças (pelo menos foi como pensei por boa parte da vida) o mal só existia para se opor ao bem e ter uma motivação para o heroi existir. Quando começaram a aparecer as primeiras histórias de vilão, não dei muita importância a isso, até pegar este livro, e gente, que experiência mais incrível eu senti em cada página dessa narrativa! 
A rainha era uma donzela filha do artesão de espelhos mais requisitado do reino inteiro, reis de outros lugares vinham ao reino para comprar seus belos trabalhos, contudo, ele não tratava a filha bem. Quando sua esposa morreu no parto deixando-o sozinho com a filha, ele passou a desprezá-la como a causa da perda da amada e a rainha cresceu ouvindo que era feia, inútil e tola. Sem amigos, a única pessoa que lhe dava carinho era sua babá que ocasionalmente também lhe deixou. Ela conheceu o pai de Branca de Neve quando este visitou a loja de seu pai e ele lhe confundiu com sua mãe, pintada em um grande retrato na parede. O soberano prometeu voltar para vê-la em breve, nesse meio tempo o pai da rainha adoeceu e veio a falecer só então ela sentiu-se livre e pôde aceitar a proposta do rei em se casar com ela.
Apaixonada pelo pai de Branca de Neve, a rainha era uma jovem benevolente que tinha como maior companhia Verona a quem amava como uma irmã, a mulher era sua governanta, criada pessoal e confidente, além disso, a rainha também contava com o amor de Branca de Neve a quem chamava de passarinho. Contudo, seu marido estava constantemente se ausentando do castelo em disputas contra reinos inimigos, isso deixava a rainha muito triste com saudades do marido, mas ela sempre procurava conforto na companhia de sua filhinha Branca a quem amava e se dedicava de coração. Em certa ocasião, uma visita estranha foi anunciada, as três primas gêmeas do rei fariam uma visita ao castelo eram três mulheres estranhas que falavam completando as sentenças uma das outras e tinham auras sombrias.
Durante a estadia delas, Branca ficou muito assustada com seu comportamento cruel, a rainha foi em defesa da sua menina e chegou a banir as irmãs quando elas acusaram falsamente Branca para o pai que a tratou com fúria. Foi dessa forma que sua infância dolorosa foi revelada ao marido que arrependeu-se de ter dado a ela como presente de casamento um lindo espelho feito pelo pai dela. Em ocasião a morte do pai de Branca de Neve em batalha, a rainha afundou em sua dor e, aos poucos, foi imergindo em uma loucura sem volta onde a única coisa que importava era sua beleza e a infelicidade de quem estivesse à sua volta. O escravo do espelho, aliado às sombrias irmãs, poderiam lhe conceder o que ela mais desejava, mas será que o preço cobrado por aquilo realmente valia a pena?
Propositalmente excluí vários detalhes importantes, isso aí é só pra dar uma ideia mesmo da linha de raciocínio que o livro cobre e é muito mais que uma releitura do filme da Disney como aconteceu com Frozen, Serena Valentino nos traz uma história totalmente original, cheia de significado e relevância sobre a dor da perda, a loucura de uma mulher sem autoestima que cresceu com a dor das cicatrizes de uma infância sem amor. A relação dela com Branca de Neve até o dia em que o amargor de seu coração venceu a sanidade, a dualidade entre o bem e o que ela estava se tornando, e sim, isso acontecia. A gente percebe que não era uma mulher que queria ser má, mas que foi usada em sua fragilidade para isso, ela foi guiada para o mal. E por isso o final desse livro difere e muito do final mostrado no clássico da disney. É um livro realmente maravilhoso que vale imensamente a pena ser lido, Serena Valentino entrou na minha lista de autoras favoritas e já estou animada para conhecer outros livros dela, tenho mais dois em casa e não vejo a hora de mergulhar neles. 

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A Espiã que sabia de menos / Quando as Luzes se Apagam / A Múmia

Era pra eu ter feito esse post há eras! Os dois primeiros filmes eu vi mês passado, pouco antes do meu celular quebrar! Mas fazer o que, né? Vamos lá!

Título Original: Spy
Título No Brasil: A Espiã Que Sabia de Menos (tudo a ver, hein?)
Direção e Roteiro: Paul Feig
Ano: 2015
Gênero: Ação, Comédia
Elenco: Melissa McCarthy
Jason Statham
Rose Byrne
Miranda Hart
Bobby Cannavale
Allison Janney
Jude Law

Sinopse: Susan Cooper (Melissa McCarthy) é uma despretensiosa analista de base da CIA, e heroína não reconhecida por trás das missões mais perigosas da Agência. Mas quando seu parceiro (Jude Law) sai da jogada, e outro agente (Jason Statham) fica comprometido, Susan se voluntaria para se infiltrar no mundo de um traficante de armas mortais e evitar um desastre global. (Via Adoro Cinema)

Lembro que quando saiu o trailer promocional desse filme disse a mim mesma que ia ver, mas fiquei tão focada nos doramas e animes que acabei deixando o cinema americano muito de lado. Contudo, ocorreu de estarmos na casa de amigos e acabamos vendo um filminho juntos (dois, na verdade), e foi assim que acabei assistindo esse e relembrando um pouco que americanos também fazem filme hahaha. A história basicamente gira em torno de Susan, uma agente especialista que é assistente de Bradley o espião mais narcisista e cego que já vi. Eles estão numa festa para pegar um contrabandista de uma arma nuclear, bem ele está na festa, ela está na base da CIA conversando com ele através de um dispositivo. Sem querer, Bradley acaba matando o contrabandista antes de saber onde a arma nuclear foi escondida, tudo que resta agora é ir atrás da filha dele, Rayna, na tentativa de encontrar a bomba. Mas o tiro sai pela culatra e Susan vê Rayna matar o homem que ela amava.
A pior parte é que Rayna sabe a identidade de todos os agentes mais competentes da CIA, a única que ela desconhece é a de Susan que se oferece para ser uma agente infiltrada. A chefe concorda provocando a ira de outro agente que acaba se metendo no meio da operação e colocando o trabalho de Susan em risco. No meio de agentes duplos e traições, ela vai precisar de toda a sua autoestima e inteligência para provar que é uma agente de campo competente.
Eu achei esse filme hilário, mas ele não é aquele tipo de comédia que satiriza o trabalho de agente totalmente, tem umas cenas de ação muito bem coreografadas, uma tecnologia realmente muito boa e aquela carga dramática dosada também. Como assisti com meus amigos tive que ver dublado, não sei se a versão em inglês tem mesmo todos aqueles palavrões, vou ver se consigo assistir depois pra conferir, porque achei realmente desnecessário usar tudo aquilo na tradução, em algumas partes ficou um humor apelativo que não rolou. No geral o filme é muito bom e engraçado, vale a pena ver com muita pipoca e uma galera do lado.


Título Original: Lights Out
Título No Brasil: Quando as Luzes se Apagam (tudo a ver!)
Ano: 2016
Direção: David F. Sandberg
Produção: Lawrence Grey
Eric Heisseirer
James Wan
Roteiro: Eric Heisserer
Gênero: Terror
Elenco: Teresa Palmer como Rebecca
Amiah Miller como Rebecca (criança)
Gabriel Bateman como Martin
Alexander DiPersia como Bret
Alicia Vela-Bailey como Diana

Sinopse: Desde de que era criança, Rebecca (Teresa Palmer) tinha uma porção de medos, principalmente quando as luzes se apagavam. Ela acreditava ser perseguida pela figura de uma mulher e anos mais tarde seu irmão mais novo começa a sofrer do mesmo problema. Juntos eles descobrem que a aparição está ligada à mãe deles, Rebecca começa a investigar o caso e chega perto de conhecer a terrível verdade.

Só pelo fato do nome de James Wan estar ali a gente já sabe que o filme vai ser foda, afinal, ele consagrou Invocação do Mal com sustos inteligentes, nas horas certas sem precisar repetir o feito de Jogos Mortais e derramar litros de sangue falso. Esse filme, talvez alguém não saiba, foi baseado em um curta de terror que ficou famoso e leva o mesmo nome, eu havia visto esse curta no youtube, inclusive vou deixar o link desse curta no final desse comentário porque é muito bom. Então, eles pensaram a história desse longa em cima do curta cuja história era muito sombria e interessante, acabamos conhecendo Diana, uma garotinha internada numa casa de repouso, ela sofria de uma doença raríssima que a impedia de se expôr à luz, por causa disso ela tinha um comportamento considerado estranho e as pessoas a viam como uma pessoa do mal. Sua única amiga era a mãe da nossa protagonista, que estava internada nessa clínica quando criança para tratar depressão, ansiedade e outro distúrbio que não lembro.
Tudo começa quando Martin surpreende a mãe conversando com alguém que se esconde no escuro, dentro da casa deles não há qualquer tipo de luz e, assustado, ele liga para o pai no trabalho pedindo que ele venha logo para casa porque a mãe está estranha de novo. O homem admite que vai demorar um pouco para voltar, mas que vai tentar agilizar o mais rápido possível, só que no caminho até a saída ele vê uma silhueta na escuridão, e cada vez que as luzes se acendem essa silhueta sombria some. Mas cada nova escuridão ela parece mais perto, assustado ele se refugia no seu escritório mantendo as luzes acesas, mas todas as luzes de repente queimam e ele é sugado para a escuridão, quando voltamos a vê-lo seus olhos foram arrancados e seu rosto completamente deformado.
As coisas com a mãe de Martim começam a piorar tanto e ele começa a ver Diana na casa dele, o que lhe causa um medo horrível ao ponto de ele se privar do sono e começar a dormir na escola. Rebecca é chamada até lá quando ele liga pra ela e a assistência social está de olho nele e na mãe. Pelo seu estilo rock ela não é vista como uma pessoa responsável (o que eu acho um puta preconceito u.u), ela o leva de volta pra casa e atesta que a mãe está ficando desequilibrada de novo. Por entender pelo que Martin tá passando ela acaba levando-o para casa dela junto com o namorado. O pai de Rebeca foi embora quando ela era criança, por causa disso ela tem dificuldades de formar relações sólidas com as pessoas. Contudo, no meio da noite, Diana aparece no apartamento e ataca Rebecca que descobre que precisa investigar mais sobre a criatura que estava pondo em risco a vida do seu irmão.
Nessa descoberta, ela acha uma caixa da mãe contendo vários recortes, documentos e gravações que mostram o que aconteceu com Diana e que ela era muito mais que um fruto da sua imaginação. Para vencê-la, Rebecca vai juntar-se a Martin e a Bret para não deixar mais nenhuma luz apagada, mas será que Diana é capaz de desistir tão facilmente de matá-los?
Cara, esse filme é muito bom! Sério. É aquele tipo de suspense como Invocação do Mal, tem os sustos na hora certa, tem o suspense na hora certa, o drama e as revelações tudo muito balanceado para manter você preso até o último minuto e isso é muito bom. Pra quem gosta daqueles terrores gore provavelmente não vão curtir Lights Out, mas é inegável que o diretor, com a parceria brilhante de James Wan, conseguiram transformar o curta em uma produção com um plano de fundo muito maior e sustos de tirar o fôlego.


Curta:



Título Original: The Mummy
Direção: Alex Kurtzman
Roteiro: David Koepp
Christopher McQuarrie
Dylan Kussman
Gênero:  Ação
Aventura
Fantasia
Terror
Elenco:  Tom Cruise
Annabelle Wallis
Sofia Boutella
Jake Johnson
Marwan Kenzari
Courtney B. Vance
Russell Crowe
Javier Botet

Sinopse: Nas profundezas do deserto, uma antiga rainha (Sofia Boutella) cujo destino foi injustamente tirado está mumificada. Apesar de estar sepultada em sua cripta, ela desperta nos dias atuais. Com uma maldade acumulada ao longo dos anos, ela espelha terror desde as areais do Oriente Médio até os becos de Londres.

Um agente infiltrado no Iraque e também um caçador de tesouros está em busca de uma cripta que vale muito dinheiro. Ele havia roubado as instruções de uma mulher com quem passara a noite. No fim, eles acabam sendo atacados por rebeldes quando tentam acessar o local e para não morrer o companheiro dele aciona um ataque aéreo que acaba revelando uma tumba enterrada milhões de anos sob o vilarejo. A pesquisadora (e mulher que dormiu com o agente) acredita ser a tumba de uma rainha egipcia que foi mumificada viva no passado e fez um acordo com Set, o deus egípcio da morte, para alcançar o poder. Contudo, depois de entrar na tumba e tirar o sarcófago de lá, coisas estranhas começam a acontecer com Nick, ele passa a ter visões tenebrosas envolvendo a rainha egípcia até descobrir-se amaldiçoado por ela. 
No meio de todo o caos, ele vai ser ajudado pela pesquisadora, Jenny, a descobrir a única arma que pode deter Armaneth, o punhal de Set, que deve ser destruído antes que a vida de Nick seja tomada pela múmia. Um rastro de terror e destruição toma a cidade e uma estranha organização entra em cena, para salvar Jenny da mira de Armaneth, Nick vai precisar correr contra o tempo para impedi-la de consegui juntar as peças do punhal e, sobretudo, precisará fazer uma escolha entre a vida e a morte.
Ouvi muita gente reclamando do final desse filme, acredito que porque estavam esperando um final romântico e a proposta não é essa. Quando decidi assistir estava focada em um filme de ação com uma certa dose de fantasia, não estava esperando um romance, por isso o final fez sentido para mim. No geral achei muito bom, efeitos especiais convincentes, uma ótima fotografia, boas tiradas cômicas, ação na medida certa e uma história de fundo boa. Valeu a pena assistir.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Feed The Machine e Will To Power

Era pra eu ter atualizado o blog há semanas! Mas desculpem, pessoas, realmente não tive tempo. O curso de biblioteconomia começou, a casa está em reformas, eu não tenho conseguido dormir direito porque meu pai está reformando meu quarto e, bem, eu não durmo fora do meu cafofinho. E é fim de período na faculdade, então os trabalhos duplicam! Com isso, não tive mais como ler, assistir nada e nem pude voltar para contar as últimas coisas que vi e que saíram. Esse post vai ser sobre música! Ouvi recentemente o último álbum do Nickelback e o do Arch Enemy, vou dividir um pouco do que achei de cada um.

Artista: Arch Enemy
Lançamento: 8 de setembro de 2017
Gravadora: Trooper Entertainment
Gênero: Death metal melódico

Tracklist:
01. Set Flame To The Night
02. The Race
03. Blood In The Water
04. The World Is Yours
05. The Eagle Flies Alone
06. Reason To Believe
07. Murder Scene
08. First Day In Hell
09. Saturnine
10. Dreams Of Retribution
11. My Shadow And I
12. A Fight I Must Win
13.City Baby Attacked By Rats (Charged G.B.H. Cover)

Will To Power é o segundo álbum com a Alissa, depois de ver os vídeos de The World is Yours e Eagles flies alone fiquei bem animada para o lançamento do disco, parecia que seria um trabalho tão incrível quanto o magnífico War Eternal, e as primeiras cinco músicas do álbum realmente te entregam o cumprimento dessa promessa. Contudo, a partir da sexta faixa o álbum vai decaindo. Entrando numa pegada mais "calma" que eu não curti. Inclusive, para quem sentia falta do vocal da Alissa no The Agonist, a faixa Reason To Believe segue esse estilo e eu detestei. Sei lá, acho que não casa com o estilo do Arch Enemy. Os vocais dela estão incríveis como sempre, mas o CD deixou a desejar, não cumpriu com as expectativas que prometeu, pelo menos não para mim.


Artist: Nickelback 
Lançamento: 16 de junho de 2017
Gravadora: BMG Rights Management
Genres: Hard Rock, Alternative Rock 
Alternative Metal, Pop Rock, Post-Grunge

Tracklist
01. Feed The Machine
02. Coin For The Ferryman
03. Song On Fire
04. Must Be Nice
05. After The Rain
06. For The River
07. Home
08. The Betrayal (act III)
09. Silent Majority
10. Every Time We're Together
11. The Betrayal (act 1)

Está aí uma banda que eu amo ouvir a cada álbum. Embora Feed The Machine, como seu antecessor, esteja numa vibe mais rock alternativo, eu gosto muito das letras e do jeito que o Nickelback consegue manter sua identidade intacta em cada CD novo. Feed The Machine é um álbum pra ouvir em qualquer momento e várias vezes seguidas, inclusive, a música título é minha favorita do álbum, seguida pela incrível e metafórica Song of Fire e Coin For The Ferryman. O álbum todo tem essa pegada mais leve, mas ainda assim é impossível não amar Nickelback e é sem dúvida uma excelente aposta para três anos sem disco.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

IMPORTANTE: SUSPENSÃO DA AULA DE CHINÊS!

大家好!

É com muita tristeza que eu venho anunciar que vou precisar suspender as aulas de chinês por um tempo. Acontece que meu celular, por onde eu estudo, acabou quebrando e não teve jeito, vou ter que comprar outro e rezar para que o aplicativo seja compatível. Isso demanda tempo, pessoas, principalmente em meio às dificuldades financeiras que estou passando. Por isso, até conseguir um novo aparelho e refazer todas as lições vistas até agora, não vou poder postar mais aulas... peço desde já desculpas por isso e a compreensão de vocês.
Precisei, até mesmo, cancelar a leitura de Enquanto Bela Dormia porque estava lendo pelo celular! Vamos esperar e ver como as coisas se ajeitam. Obrigada por acompanhar até agora e espero que possa voltar o mais rápido possível com as lições.

再见!

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

[Chinês] 是+Cor+的 e 什么颜色?

大家好! 你们好吗?

Começando hoje a primeira lição do capítulo das cores, vamos aprender como dizer que um objeto é de determinada cor. Em mandarim, quando você quer quiser descrever a cor de algum substantivo será necessário usar a seguinte estrutura:

Sujeito + Cor + 的 

外套黑色
                                                                               O casaco é preto.
Alguns exemplos:

我的鞋子是白色的。(Wǒ de xiézi shì báisè de.)
Meus sapatos são pretos.
这条裙子是红色的。(Zhè tiáo qúnzi shì hóngsè de.)
Este vestido é vermelho.

Observa-se que este 的 final não funciona como partícula de posse omo o conhecemos, mas como um finalizador estrutural e, desse modo, sem tradução. 

什么颜色?

Em mandarim a expressão 什么颜色? (shénme yànsé) carrega o sentido de "qual cor?/ Que cor?/ De que cor?" a estrutura para usá-la é anterior apenas inserindo a expressão no lugar da cor, antes da partícula final.

SUJEITO  + 什么颜色

裙子什么颜色?

Qual a cor do vestido?

Vocabulário da Lição:

黑色 (Hēisè) - preto
白色 (Báisè) - branco
红色 (hóngsè) - vermelho
绿色 (lǜsè) - verde
颜色 (yánsè) - cor

Ideogramas da Lição:

bái - branco

hóng - vermelho

Componentes do ideograma:
纟(sī) seda - a maioria dos caracteres compostos por este componente estão a materiais, produtos ou trabalhos de arte feitos de seda.
工 (gōng) - trabalho

sè - cor
Componentes do ideograma:
⺈ radical s/t
巴 (bā) estar perto de

Exercício

  1. 我的 鞋子 是 白色的。(Wǒ de xiézi shì báisè de.)
  2. 我的 头发 是 黑色的。(Wǒ de tóufǎ shì hēisè de.)
  3. 这 条裙子 是 绿色的。(Zhè tiáo qúnzi shì lǜsè de.)
  4. Esta camisa é verde.
  5. 你的鞋子是什么颜色的? (Nǐ de xiézi shì shénme yánsè de?)
  6. 这条裤子是什么颜色的? (Zhè tiáo kùzi shì shénme yánsè de?)
  7. 她的眼睛是什么颜色的? (Tā de yǎnjīng shì shénme yánsè de?)
  8. Qual pergunta foi feita para obter a resposta abaixo? Formule-a.
  9. Qual é a cor dos cabelos dele?
  10. Os cabelos dele são pretos.
  • A: _________________________________
  • B: 我的衣服是黑色的。
  1. Organize a resposta da pergunta abaixo:
  • 衬衫是什么颜色的?
  • 是/红色/衬衫/的

sábado, 23 de setembro de 2017

Conto de Falhas no Canal Leitor Beta!

Oi, pessoinhas! Eu estou aqui por um motivo super especial, é que meu livro Conto de Falhas acabou de receber uma crítica do canal Leitor Beta, pra quem não conhece, o Leitor Beta, do Hadou, é um canal literário voltado para fanfics! Sim, fanfics! Você pode inscrever sua história através das redes sociais do Hadou e quando ele lê, analisa sua história em vídeo. Além disso, ainda tem muitas dicas de escrita dadas de um jeito irreverente e super leve! Vale a pena conhecer o canal! Vou deixar todos os links no fim do post.
Então, eu conversei com ele para introduzir a história mesmo e ele, super gentil, aceitou ler e analisar. O vídeo saiu ontem e ele leu super rápido (só perdeu mesmo pra menina que leu as 620 páginas do Protetor em dois dias) e quis compartilhar o vídeo aqui com vocês. São três fanfics analisadas, a minha é a segunda, mas vejam as outras duas também que vale super a pena, além do mais tem sorteio no canal, então já aproveita, se inscreve e participa!

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

[Chinês] A Vida no Vermelho


Tradicionalmente as noivas chinesas têm usado exuberantes vestidos 红色 (hóngsè) "vermelhos" durante suas cerimônias de casamento, isso porque o vermelho simboliza a felicidade e a prosperidade. Ao contrário de muitos de nós, ocidentais, que usamos a expressão para denotar algo negativo, no mercado acionário chinês está "no vermelho" significa crescimento, enquanto estar "no verde" denota perdas. Ao contrário do que muitos devem imaginar, a adoração pela cor vermelha não está associada ao comunismo, os chineses simplesmente consideram uma cor auspiciosa. Ainda assim, como a influência internacional tem crescido na China, as noivas têm cada vez mais usado o branco 白色 (báisè), além de vestidos típicos de muitos países ocidentais. O que é uma pena, na minha opinião, pois a riqueza cultural da tradição milenar chinesa e a exuberância de suas vestes tradicionais é algo fora de qualquer elogio existente, mesmo para mim que detesto vermelho.

Um exemplo de vestido de noiva tradicional chinês
Eu ando meio atarefada com algumas coisas da faculdade para entregar, mas vou me organizar para voltar a minha rotina de leitura e ver se completo alguma série ou anime. Peço a paciencia de vocês. Segunda feira tem nova lição de Chinês!
Até! 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Fated To Love You - Thai Version: Primeiras Impressões

Olá, pessoas!

Há eras me recomendam dramas Tailandeses, inclusive, eu já tinha tentado ver alguns, mas não consegui avançar muito. A primeira vez que mudei do Japonês para o Coreano estranhei um pouco, mas talvez pelo fato da "música" da língua ser agradável, não demorou muito para que me acostumasse e passasse de K-Drama para o outro, quanto ao Japonês, talvez o fato de ter começado a ver animes mais cedo, não tenha sido um impacto tão grande, ajudou também o fato de gostar muito de inglês. Quando passei do Coreano para o Chinês eu já estava bem habituada às línguas asiáticas, o EXO, inclusive, facilitou muito essa transição para os C-Dramas, eu gostava muito de ouvir o EXO-M então o meu primeiro C-Drama (My Amazing Boyfriend) não foi estranho. Contudo, nunca antes havia visto nada em Tailandês, ouvia muito as pessoas falando sobre os doramas, mas nunca tinha tido curiosidade real em procurar, talvez por não ser um idioma que eu quisesse aprender ao contrário das outras três. 
O primeiro drama que tentei ver foi Ugly Duckling, mas desisti no episódio quatro acho, não lembro. Quando surgiu, através de uma amiga, a notícia da versão Thai de Fated to Love You, exatamente três anos depois da produção coreana e dez anos depois da versão Taiwanesa, percebi que era hora de quebrar a resistência e dar uma chance. A primeira vez que ouvi Tailandês (em Ugly Duckling), me soou como uma mistura de Russo e Alemão, e é exatamente essa impressão que eu tenho quando assisto esse drama, mas acredito que com o costume melhore.
Na resenha que eu fiz de Fated To Love You comentei que não tinha gostado da versão coreana do drama, a versão Taiwanesa realmente era a melhor e até então - com três episódios legendados dessa versão nova - não mudei de opinião. You're My Destiny como foi "batizada" a versão Tailandesa para os demais países, não é muito diferente da versão coreana não, há, na verdade, algumas pouquíssimas semelhanças com a versão Taiwanesa, o que me leva a crer que eles vão se espelhar mais na adaptação coreana. Os personagens tem traços bem semelhantes de personalidade e as mudanças de enredo foram bem sutis. Senti falta da alegria da avó de Cun Xi, a avó de Pawut (não vou conseguir pegar esses nomes fácil não kkkkk) é muito calma e quieta, até a avó da versão coreana era um pouco mais efusiva. As atuações estão boas, embora eu não tenha achado que houve uma boa química entre os protagonistas, é suportável uma vez que a personalidade do Pawut se equipara mais a do Cun Xi que a do Lee Gun, ou seja, ele não é inicialmente um quase pateta grande, embora a risada dele soe bem forçada também. O assistente dele não tem graça como o da versão Taiwanesa, mas estou levando em conta que podem ser realmente as questões culturais, não conheço muito da Tailândia para opinar sobre isso.
Até agora, não me impactou muito não. E aproveito para fazer uma observação, logo nos primeiros episódios há a cena do cassino, uma cena em que o personagem principal leva a protagonista para se vingar do namorado idiota. Das três versões eu digo com toda convicção que a da versão coreana foi a melhor, não apenas pela atuação deles e o modo como o Lee Gun conduziu as coisas, mas pelos diálogos super elaborados da cena. Minha favorita das três versões. A versão TW foi boa, mas ainda não se comparou à Coreana e a versão Tailandesa achei muito rasa.
É isso. O drama vi contar com 19 episódios de uma hora. Se for comparar, acho que vão cortar bastante da versão TW que teve 39 e, apesar de não ter visto completa, da coreana que teve 24, o que me leva a crer que eles devem mudar algumas coisas. A carga cômica praticamente desapareceu (é isso ou eu realmente tenho um humor difícil, porque não ri até agora), vou esperar os demais episódios para ter uma noção geral das coisas! Então, nos vemos daqui ha um bom tempo kkkkk

P.S.: Para quem se interessar em ver, o Mahal Dramas está legendando.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

[Música] Últimos Lançamentos

Fazia tempo que eu não atualizava os CDs lançados pelos artistas que eu curto, é simplesmente porque não acompanhei os lançamentos, conforme ia vendo as prévias e até mesmo os vídeos oficiais lançados a minha vontade de ouvir o CD ia diminuindo muito. Acabei deixando passar os lançamentos e fui ouvir tudo de uma vez só. Fiquei bem decepcionada com alguns, verdade seja dita, vou passar só um comentário bem breve sobre eles, até porque são muitos se não o post vai ficar muito grande. Vamos lá...

BTS - Love Yourself

18.09.2017

“Serendipity,” 
“DNA,” 
“Best of Me” 
“Dimple”, 
“Pied Piper,” 
“skit: Billboard Music Awards Speech,” 
“MIC Drop,” 
“Rather than Worry, Go” 
“Outro: Her.” 

Quando eles lançaram o single Come Back Home foi anunciado que a banda mudaria o logo e o estilo, não seriam mais os garotos a prova de balas e pegariam uma vibe mais "madura" por assim dizer. Mesmo assim, Come Back Home foi grudenta o bastante para se equiparar a Blood Sweat and Tears e por isso criei certas expectativas para esse trabalho do BTS, até então os albuns deles tinham sido um "tiro" atrás do outro. Contudo, quando saiu o clipe de DNA, música de trabalho do Love Yourself, eu fiquei meio decepcionada, era como se eu estivesse vendo um vídeo do GOT 7 (eu amo todas as músicas do G7, mas os vídeos não dá, não sei porque.) o álbum é realmente bom, mas não parece muito o BTS sabe? Em alguns momentos parece que to ouvindo o Day 6 em outros o próprio G7 e até mesmo o Seventeen. A mudança de estilo foi muito brusca, ao ponto de ser quase inacreditável e, mesmo que tenha ficado um álbum muito bom, acho que vou levar um tempo para me acostumar com essa nova cara dos meninos. Best of me, Dimple e Pied Piper são as melhores músicas do álbum na minha opinião, mas nenhuma vai emplacar tanto quanto BSAT ou CBH.




BAP - Blue (single)

05.09.2017

01. HONEYMOON
02. ALL THE WAY UP
03. REWIND

Está aí uma banda que só tem me surpreendido para melhor! Quando vi o vídeo de Honeymoon fiquei tão apaixonada quanto com Wake me Up, para mim esta última é sem dúvida a melhor música da banda, mas o single novo não deixa em nada a desejar. A identidade da banda ao longo do tempo continua forte, totalmente Best Absolute Perfect, a única coisa não perfeita é essa nova moda da Coreia de imitar o cabelo Chitãozinho e Xororó, manos, só parem, é sério. Esse CD tem uma pegada mais light, acho que para desanuviar um pouco do Rose que tem aquela vibe um pouco mais séria, mais pesada, mais reflexiva, eu gostei muito disso, ficou muito equilibrado e as músicas são muito grudentas, dá pra ficar ouvindo o dia todo sem se cansar. Vale a pena conferir!



Boyfriend  


Título: Glider / Ashita no Harewataru Sora ni 
Japanese Single
02.06.2016

01. Glider
02. Party People
02. 名もなきlove song
02. 明日の晴れ渡る空に








Título: Never End
Korean mini album
09.08.2017

01. Star *Title
02. Falling
03. 핑 (Never End)
04. 놀러와 (Welcome to My)
05. 비공개 사과 (Sorry)





Esse primeiro single do Boyfriend me passou totalmente despercebido, acho que foi meio pela quebra de expectativa que o Jackpot me trouxe, pela música tema eu esperava algo mais forte e o single album foi meio fraquinho. Mas o Glider combina bem essa troca de energia combinada com as tão características baladinhas do Boyfriend. Eu gosto muito das versões japonesas das bandas coreanas, principalmente quando são versões de músicas que eu gosto muito, agradeço até hoje ao B.A.P por ter me presentado com a versão japonesa de Wake Me Up. Os singles japoneses normalmente carregam mais a cara do estilo pop do Japão mesmo, pode prestar atenção que tem um estilo diferente do Kpop que ouvimos habitualmente. O glider é um single bom, os vocais dos meninos estão cada vez melhores, principalmente do Daehyung, ele tem me surpreendido muito desde I Miss You. Party People é minha eleita do álbum.
Já o single lançado esse ano me pegou de jeito no kokoro. O MV de Star está simplesmente lindo e de partir o coração. Foi amor a primeira ouvida/vista tal qual I Miss You que foi definitivamente um single matador do grupo. As músicas são bem equilibradas entre o lento e o mais dance, o estilo deles mudou um pouco conforme eles foram crescendo, mas a identidade musical permanece coisa que eu gosto muito, não é algo brusco, é gradativo, eles evoluem. Super recomendo. Gostei de todas as músicas desse mini album! Muito amorzinho!

EXO - The War


8.07.2017

01. 전야 (前夜) (The Eve)
02. Ko Ko Bop *Title
03. What U do?
04. Forever
05. 다이아몬드 (Diamond)
06. 너의 손짓 (Touch It)
07. 소름 (Chill)
08. 기억을 걷는 밤 (Walk On Memories)
09. 내가 미쳐 (Going Crazy)

O EXO foi a primeira banda de Kpop que eu ouvi e não havia como resistir a MAMA depois de ouvir pela primeira vez. Acompanhei CD atrás de CD, os singles que não tinha ouvido, graças a eles me interessei de descobrir outras bandas do gênero e fui afundando cada vez mais no mundo da música asiática. Quando eles lançaram o EXODUS o estilo já estava em transição, mas aquele álbum foi um ápice da perfeição, mesmo chateada com a questão dos membros chineses, o que me fez mudar um pouco a visão dos membros coreanos, continuei acompanhando o trabalho deles. Aí veio o LOTTO, eu já fiquei meio assim... não curti tanto as músicas do álbum, mas ainda era um cd bom, os vídeos não tinham mais a mesma emoção, mas tudo bem, era o EXO e Monster era tão foda quanto. Depois veio o CBX, a essa altura eu já tava com um pé meio atrás com a banda, dessa subunit do EXO eu até curti algumas músicas, estava aguardando o tão falado album Japonês e a espera valeu a pena, as músicas eram muito boas, principalmente Tac Tix minha favorita. Então veio o For Life, como álbum de natal ele não chega aos pés do primeiro, não curti nenhuma das músicas e por aí, só piorou. Por um tempo eles só promoveram o CBX, algumas músicas eu curti bastante, Ka-chin foi uma delas, achei a música bem viciante apesar da qualidade da letra não ser daquelas. Mas quando saiu o MV de Ko Ko Bop eu desisti do EXO de vez. Não teve uma só música nesse álbum que eu tenha gostado. É como se toda aquela energia do MAMA tivesse desaparecido totalmente. Aí eles lançaram um reckpage (ainda me pergunto a utilidade desses álbuns) chamado The Power of Music, escutei a música (que é a única diferente do outro cd) e curti menos ainda. O vídeo é sem graça e a música pior ainda. Tá difícil acompanhar o EXO ultimamente, eles pararam de fazer a música que eu e minha irmã gostamos de ouvir.

CNBLUE


20.03.2017

01. 헷갈리게 (Between Us)
02. It`s You
03. 끊지마 (Calling You)
04. When I Was Young
05. 마니또 (Manito)
06. Royal Rumble





10.05.2017

01. SHAKE
02. Someone Else
03. Was So Perfect


Desde o lançamento do single japonês Euphoria eu estava bem animada com o lançamento do CNBlue, que é uma banda que eu gosto muito de ouvir, em março eles lançaram o 7º inclusive com a versão coreana de Royal Rumble minha favorita do single japonês. O estilo do CNBlue não muda, é uma das coisas que eu mais gosto da banda, eles trazem elementos novos para sua música, mas sem mudar a identidade musical o que é algo muito positivo. Acho que de todos os CDs deles que ouvi até hoje não tem nenhum que não tenha gostado. Muito ao contrário da carreira solo do vocalista principal, Jung Yong Hwa, cujo último CD não teve uma só música que eu tenha gostado.

FTISLAND - Paradise


23.08.2017

01. Paradise
02. Stay what you are
03. What about me?
04. Shadows (FTISLAND Arena Tour 2017 – UNITED SHADOWS – Live at 日本武道館 2017.6.2)

Está aí outra banda que eu gosto muito e conheci recentemente. Paradise não se compara muito a shadows, aquele álbum foi realmente foda, mas ainda assim é um single muito bom, eles tem essa coisa de misturar rock com uma pegada pop em alguns momentos e fica muito legal. E tem a voz do Hong Ki que é inconfundível, grande influencia para vários artistas do ramo. E é também uma das poucas bandas que me faz curtir até as baladinhas coisa que é raríssimo acontecer. Vale a pena conferir!



Epica - The Solace System

01.09.02017

01. The Solace System
02. Fight Your Demons
03. Architect Of Light
04. Wheel Of Destiny
05. Immortal Melancholy
06. Decoded Poetry

Saindo agora da onda Kpop/rock, saiu dia primeiro desse mês o tão aguardado EP do Epica. Você que acompanha o blog sabe que eu sou fã incondicional do Epica, de 2004 (data do primeiro CD, eu conheci a banda em 2009) até 2016 eles não lançaram um único álbum que eu não gostei. Contudo, na vida nada foge da exceção né? O EP The Solace System não superou minhas expectativas.
Quando eles apresentaram o Holographic Principle eu já senti uma mudança no estilo, mas coisa beeem sutil, as músicas daquele álbum são inegavelmente fodas, as letras então nem se fala! Quando eles lançaram a música tema do EP o vídeo já foi uma propaganda ruim, aquele negócio desenhado estilo Break The Ice da Britney Spears já não agradou, pelo visto, ninguém. O Ep está bom, realmente, mas não surtiu aquele efeito louco em mim como acontece cada vez que eles lançam um trabalho novo, a voz da Simone foi a principal mudança, no Quantum Enigma ela veio com um vocal bem suave, ainda que mais forte. Suavizou um pouco no álbum posterior, mas esse último a voz dela está um pouco "sem emoção", como se ela estivesse cantando só por cantar. Pelo menos é essa a impressão que eu tenho ao ouvir, há tecnica e não emoção. Espero que o próximo álbum deles venha melhor. Dessa vez, não conseguiram me atingir, mesmo sendo um bom EP.