terça-feira, 30 de dezembro de 2014

E lá se vai 2014!

Olá blogueiros,

Mais um anos tá indo embora e eu não poderia deixar de vir aqui me despedir de vocês e agradecer. Não posso dizer, exatamente, que 2014 foi o ano que eu esperava, mas seria uma mentirosa se dissesse que foi um ano ruim. Não foi. Muitas coisas ruins aconteceram, sim, mas as coisas boas superam tais tristezas e é assim que deve ser, é no que temos de nos focar: No bom.
Não sou muito daquelas que gosta de fazer "retrospectivas", até porque tenho uma memória tão ruim que mal consigo me lembrar o que comi de manhã rs, mas se há alguns momento esse ano que acho que valem a pena ser lembrados porque me fazem lembrar o quanto a vida vale a pena, são esses que vou compartilhar agora com vocês:
A possibilidade de publicar Sleeping Beauty, para mim, foi o ponto alto desse ano. Eu e a Lily trabalhamos arduamente na correção, reescrita e formatação da história, é um projeto tão completamente meu em cada detalhe que foi a minha realização mais plena. Escrever esse livro foi um dos maiores presentes que recebi esse ano e mesmo que as vendas dele tenham sido poucas eu estou feliz por todos que já leram e gostaram da história, porque eu dediquei um amor especial a ela. Nunca imaginei de fato que ela fosse virar livro, quando comecei a postar no Nyah e recebi as respostas positivas, respostas inclusive de gente que é acostumado a ler grandes autores como Paula Pimenta que escreveu O livro das Princesas, eu optei por fazer um remake da Bela Adormecida em um tempo onde não havia muito da história além da Disney, mas ela só ficou pronta no mesmo ano da publicação de Princesa Adormecida, Malévola e Sleeping Beauty (adaptação de 2014), esse último, um filme que eu vi e sinceramente não gostei nada. 
Mesmo assim, em meio a essas novas releituras, o meu livro consegue ser original à sua própria forma, trata do conto dos Grimm de maneira mais realista, mas sem perder a magia e o romance da Disney além de trazer inovações próprias como uma princesa de personalidade própria e diferenças significativas no enredo da história. Estou muito orgulhosa de ter conseguido escrever algo tão incrível quanto este livro e foi uma realização tamanha para mim enquanto leitora e em uma vida criando histórias que até então ninguém tinha lido.
Publicar por uma editora é um sonho que eu tenho desde que comecei a escrever aos sete anos de idade. Esse ano isso finalmente foi possível, assim como em 2010 eu pude ter a experiência de cantar para mais de dez pessoas sobre um palco. Confesso a vocês que a experiência não foi bem o que eu esperava, embora as respostas que o livro recebeu foram muito boas, principalmente considerando o fato que não é minha história mais emocionante rs o que vale salientar desse momento, realmente, foi a chance de conquistar algo por mérito meu, escrever alguma coisa tão boa a ponto de ser aprovada por alguém que lê milhares de livros todos os dias. E também a chance que isso me deu de me aproximar mais de pessoas que eu já estimava e conhecer um cara incrível como o João Paulo, revisor do livro, a quem eu permaneço como um amigo muito querido.
A magia de publicar Um Novo Começo foi justamente essa. Ter a possibilidade de me aproximar mais deles, a possibilidade de conhecer tanta gente legal, como a Aly por exemplo, que foi tão fofa comigo. É o bom de escrever, de alguma forma isso coloca um monte de gente legal no seu caminho, faz abrir portas para muitos corações que muitas vezes você não imaginaria cativar, mais cativa (tipo a tia do Raul que leu esse livro 6 vezes!) e esse foi outro momento que eu não quero deixar de lembrar aqui foi esse momento em que eu levei o livro autografado pro Raul, foi um dos momentos mais incríveis desse ano, quase como se eu dissesse a mim mesma que "passei por essa fase" e que finalmente posso seguir em frente. Escrevi Um Novo Começo quando tinha dezenove anos, no meio de umas aulas de português do normal médio (magistério) das quais eu fazia questão de não prestar atenção, sem contar nas de filosofia, geografia e, principalmente, didáticas e pedagogias. Inicialmente, até então, era um dos meus enredos mais inteligentes, mesmo que um tanto mal desenvolvidos, e foi a abertura para um mundo de novas possibilidades literárias para mim, tendo em vista que, até então, a maioria das histórias que eu escrevia eram bem dramáticas e se passavam basicamente no mesmo lugar.Retrabalhei ela inteira quando foi aprovada pela editora e dei o manuscrito para o revisor como uma forma de agradecer pela amizade maravilhosa que ele me concedeu. Foi um momento muito tenso esse ano, mas não posso negar que também foi bem gratificante.
Esse ano também, durante quatro meses, eu trabalhei em Conto de Falhas.Escrever essa história foi muito libertador, além de contar como eu me senti durante os muito "tocos" que eu já levei na vida, ainda expressei meus desejos para um futuro que eu já não estou tão certa que vai mesmo acontecer e meio que "dei uma limpa" nos meus sentimentos, em coisas que eu realmente queria esquecer e queria tirar dos armários do meu coração. Assim como Conto de Falhas, esse também foi o ano de Folhas Mortas, essa história me surpreendeu muito, porque eu nunca imaginaria que as pessoas se interessariam por ela pela carga de drama que ela traz. Fiquei não só feliz, mas animada com a ideia de transformá-la em um bom livro e é meu primeiro projeto para 2015. Já tenho 28 capítulos prontos e ela está longe de acabar. Então, posso dizer que apesar de todas as coisas ruins, no caso literário, esse foi o ano do livro.
E ainda falando em livro, além de este ano eu ter ganhado o espacinho dos meus bebês, presente de aniversário da mamãe, esse foi sem dúvida o ano que eu mais comprei e ganhei livros. Só no mês do meu aniversário foram 15! Também foi o ano em que eu mais li, passei da marca dos 50 livros por ano! Oito desses só em Janeiro. E já estou feliz com o primeiro livro que vai chegar dia 23 de Janeiro, que é o meu tão aguardado diário da Seleção. A lista de compras e de leituras de 2015 já está enorme e por isso Janeiro será um mês de muitas resenhas no blog e 2015 será o ano da escrita. Eu vou me dedicar unicamente aos meus livros neste ano novo, não haverão projetos no Nyah, vai ser um ano inteiro dedicado à leitura e à escrita. Vou, inclusive, concluir Asking For Alexandra, ainda nas férias de Janeiro, para a partir de fevereiro me dedicar unicamente ao projeto do TCC e aos meus livros. Não vou dizer a vocês que o ano que vem tem novidade por aí, porque não posso garantir isso de nenhuma forma, o que eu posso dizer é que em 2015 eu tenho planos de mudar a minha alma, de escrever com mais afinco e de ler muito. Para mim, é o que me basta e o que tenho por certo. Mas, quanto a 2014, foi um ano difícil. Muito difícil mesmo. Mas esses acontecimentos bons e muitos outros que ocorreram durante esses 365 dias, fizeram as coisas valerem a pena. Obrigado a você que passou esse ano comigo, obrigado a você que esteve por aqui, me acompanhando e me enviando suas vibrações positivas. Obrigada de coração por tudo! 
2015 está chegando, vou trocar o Layout do blog e já em janeiro começam as resenhas novas. Obrigada por esse 2014! Graças a vocês ele foi suportável, foi melhor!

Feliz ano novo, blogueiros!

Nenhum comentário:

Postar um comentário