quinta-feira, 7 de julho de 2016

Tarja Turunen - The Brightest Void (2016)

Tracklist:
01. No Bitter End (videoclip version)
02. Your Heaven and Your Hell (com Michael Monroe)
03. Eagle Eye (com Chad Smith & Toni Turunen)
04. An Empty Dream
05. Witch Hunt
06. Shameless
07. House of Wax (Paul McCartney cover)
08. Goldfinger (Shirley Bassey cover)
09. Paradise (What About Us) (com Within Temptation)

Confesso a vocês que desde o último CD da Tarja eu não estava muito animada não, embora conte com faixas muito boas como Victim of Ritual e Lucid Dreamer, o Colours In The Dark não me surpreendeu muito como eu esperava. Esse ano, ela lançou este cd novo que pelo que li é a prévia de um CD que será lançado em breve e titulado The Shadow Self, antes disso, saiu o vídeo da música The Bitter End e, mais recentemente, de Innocence. Eu sinceramente não curti esse trabalho novo da faixa, a música de trabalho que abre o álbum começa prometendo uma coisa que não cumpre, o refrão dela foi o que mais detestei. A segunda faixa Your Heaven and Your hell tem certo peso, mas ainda assim não conseguiu convencer, para a Tarja, achei um trabalho fraco. As músicas tem uma sonoridade que prometem mais do que cumprem, algumas começam com riffs realmente bons, mas vão decaindo conforme avançam até desaparecer completamente. A terceira segue mais ou menos o padrão das outras músicas, Eagle Eye não desperta nenhuma vontade de repetir a música, começa com um certo peso que vai desaparecendo conforme a música avança. An Empty Dream é quase estática, lembra quase músicas como Boy and The Ghost, mas sem a delicadeza ou a surpresa sonora da música, embora a letra seja muito bonita, não me impressionou muito. Witch Hunt tem aquele começo sombrio e meio cercado de mistério, meio música de trailer de filme de suspense, mas no fim fica mais para música de A Noiva Cadáver ou qualquer outra animação do Tim Burton. Nem mesmo a aura melancólica do toque convenceu. Shameless vem quase com a mesma pegada das faixas dois e três, mas promete mais do que cumpre. Mesmo com os incríveis vocais de Tarja nessa música, não conseguiu empolgar. House of Wax é um cover do Paul MacCartney, eu não ouvi a faixa original, então não posso falar muito dela, só tem aquele toque meio dark e melancólico, mas soou estranho em um álbum da Tarja por algum motivo que não sei explicar. Como a anterior, Goldfinger também é um cover, mas não conheço nem a música original nem a cantora então não posso dizer nada sobre ela. Por fim, vemos um remix de Paradise que eu já havia não gostado no álbum Hydra do Within Temptation, pra mim, o álbum mais fraco da banda depois do The Unforgiven. Mas a introdução mais "alegrinha" e com cordas, tornou a música mais "ouvível" que a versão do Within. Resumindo, esse CD não me surpreendeu e sinceramente, não me convenceu nem um pouco. Como anunciado, “The Brightest Void” é um prenúncio do próximo álbum. Por isso talvez o repertório mediano, mas não deve empolgar os poucos familiarizados com o trabalho da Tarja, é um CD fraco que realmente eu não achei que valeu a pena. O que me leva a não criar expectativas com o The Shedow Self.

Nenhum comentário:

Postar um comentário