quarta-feira, 6 de julho de 2016

[Tag #Escrita] Editoras I - O processo de publicação

E finalmente vamos responder a pergunta que não quer calar: Como faz para publicar um livro? Eu já fiz outros posts falando do assunto e vou retomar aqui de uma forma mais ampla, contemplando a minha experiência com publicação. Posso adiantar que o processo de publicar o livro é mais difícil que o processo de escrever! E aqui no Brasil é ainda pior, porque não interessa se a sua história é boa ou não, interessa se ela dará dinheiro para quem vai publicar. Há três meios de publicação: Tradicional, Demanda e Online eu tive experiência com dois deles, vou tentar explicar mais ou menos o processo de cada um e como foi a minha experiência com isso. Vamos lá!

1 TRADICIONAL

Na publicação tradicional é mais ou menos o sonho americano que vemos nos filmes, uma editora grande faz um contrato com você para publicar o seu livro. Você vai receber uma porcentagem sobre a venda de cada exemplar, normalmente algo em torno de 10% e ela vai fazer todo o marketing e arcar com as despesas de publicação, tudo que você vai fazer é acompanhar o processo. O lado bom é que o processo é tranquilo, o editor pode sugerir algumas mudanças, mas você não é o principal responsável pela edição e divulgação do livro, por serem editoras de renome, você tem a certeza que o seu livro vai ter uma visibilidade muito grande e ainda aumenta a possibilidade de você entrar na lista dos mais vendidos. O lado ruim é que esse tipo de editora não abre muito espaço para autores iniciantes, na verdade é algo bem raro, eles preferem apostar em nomes de peso que sabem que vão trazer um retorno seguro. Você também não tem controle sobre como vai ficar o seu livro, vai acompanhar o processo de publicação, mas não vai poder opinar no produto, salvo alguma cláusula contratual que lhe permita isso.

2 COMERCIAL OU SOB DEMANDA

Esse tipo de publicação é mais flexível que o anterior, a chance de você ser publicado por esse tipo de edição é maior. Na editora comercial, você envia seu trabalho para análise, a editora vai enviar um contrato para você, normalmente é de um a dois anos de exclusividade, seu livro vai ser publicado, mas você vai ficar responsável por divulgar o seu livro e o valor de publicação normalmente é bem alto, por que entra o valor de capa e o de edição.
O lado bom é que essas editoras, por serem novas no mercado (vem crescendo mais agora) apostam em autores novos, mesmo os que não tem nenhum trabalho publicado. O lado ruim é que você não tem controle sobre o processo editorial, os custos de publicação são, fazendo uma estimativa mínima, entre 1.900 e 4.000 reais, a revisão é por fora e todo o processo de marketing é por sua conta. Sem contar que o valor de direitos autorais pode diminuir para 5% dependendo do tamanho da obra.

3 PUBLICAÇÃO ONLINE 

Esse terceiro viés de publicação, apesar de muito simples, ainda é visto com certo receio pela maioria dos autores jovens. Você põe seu livro a venda em uma plataforma online, pelos meios impresso ou digital (ou os dois), com custos bem reduzidos - normalmente, só paga a revisão e a capa se você não souber fazer - nesse tipo de publicação, o autor é responsável por todo o processo, desde a preparação dos originais até a distribuição do livro, você também pode escolher o valor de custo da obra com base nos seus direitos autorais, no entanto, a distribuição dos livros também é por sua conta, o que pode ser um problema no processo. Apesar do receio de muitos autores, desde que seu livro esteja devidamente registrado, não há o que temer, o processo é seguro se você souber o que está fazendo.

COMO FOI COMIGO

Eu passei pelos processos 2 e 3, o contrato que assinei com a editora do meu primeiro livro foi de 10% de direito autoral, eu não pude opinar na capa, só tive direito a 15 concertos, os demais eu teria que pagar por fora. Meu livro estava impecável, o rapaz que o corrigiu era um perito no assunto e revisamos o livro juntos, não havia uma só virgula fora do lugar, blogueiros, eu asseguro. Meu professor doutor em linguística olhou tudo e não encontrou nada de errado, no entanto, quando o miolo veio para que eu aprovasse, surgiram vários erros que Deus é que sabe de onde saíram. A formatação também teve certo desleixo, apesar de que a diagramação ficou muito bonitinha. Eu tinha de vender uma quantidade de exemplares x para pagar a editora tirando do valor total apenas os 10%  que me pertenciam, mas no fim de tudo eu não tirei nada. Me pediram as fotos do lançamento, mas não publicaram na página da editora, e o valor final da obra ficou exorbitante para o tamanho de páginas e uma capa "plagiada" digamos assim. Enfim, foi um pesadelo. Eu não recebi nada por esse livro, não sei se ele foi no catálogo da editora, mas não vendeu.
No segundo caso, eu publiquei sozinha. O controle de todo o processo foi meu e utilizei a plataforma Clube de Autores, uma amiga minha corrigiu o livro e eu o diagramei, a capa ficou por conta da minha irmã e mesmo com todas as dificuldades por não saber diagramar direito e não entender muito bem como enviar a capa completa, o projeto deu certo e o resultado me agradou muito. Se eu for comparar os dois processos, gostei bem mais do segundo, apesar de ser um pouco mais difícil, para que o valor do livro não ficasse muito exacerbado eu coloquei os direitos autorais no valor de R$3,00 por livro vendido, e ainda assim não atingi a marca de 100 exemplares ainda. Mesmo assim, continuo tentando, meu sonho um dia é assinar um contrato com uma editora tradicional.

Como podem ver, o processo de publicação é um pouquinho complicado, tão difícil quanto o de escrever se não mais, porque tudo no Brasil é difícil. No próximo post eu vou falar sobre o Clube de Autores, o passo a passo de publicação por lá e como o site funciona. Ainda vou falar sobre a diagramação do original para as editoras e os nomes de algumas das editoras que conheço que valem a pena publicar mesmo apesar dos custos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário