sábado, 16 de julho de 2016

REPENSANDO A AVALIAÇÃO: CRITÉRIOS E INDICADORES

Uma das disciplinas obrigatórias em todos os cursos da licenciatura é Avaliação. Eu passei por ela, três vezes ¬¬' as cadeiras pedagógicas não ocupam meu top 10 matérias favoritas. Mas escrevi um textinho que pode ajudar meus colegas de letras nos trabalhos dessa matéria. Vou compartilhar aqui.

Tida pela maioria dos alunos como um “bicho de sete cabeças” a avaliação tem sido alvo de discussão desde a queda do método tradicional de ensino tais quais seus meios retrógrados de enxergar o aluno e o processo de ensino-aprendizagem, e mesmo que para alguns professores ele ainda perdure, ficamos felizes ao perceber a evolução crescente nas metodologias empregadas pelos docentes que envolvem bem mais o aluno como construtor do seu próprio conhecimento.
            Visto dessa forma, a maneira de avaliar o aluno também tem sido evolutiva, embora muito ainda se discuta essa metodologia e haja controvérsias a respeito. Avaliar é acompanhar o desenvolvimento do aluno e fazer uma apuração do que ainda precisa ser melhorado na prática docente para que o conhecimento se torne efetivo. É necessário, portanto, acabar com essa imagem negativa que se tem de avaliação como um objeto de “diminuição” de um aluno ou turma, como uma forma de punição ou como comparativo de inteligência. Como diz a citação de Risopatron na revista eletrônica Nova Escola, publicada em 2009:
“A consciência da ambiguidade deste termo surge porque se espera que ele seja definido a partir de um único significado. Sem dúvida, o conceito de qualidade - assim como do belo, do bom e da morte - são significantes que podem adquirir muitos significados (...)" (RISOPATRON apud nova escola,1991, p.15 )
            O processo avaliativo envolve muito mais que a simples capacidade de avaliar o armazenamento de informações, mas compreende fatores internos e externos que precisam ser levados em consideração. Se compreendemos o aluno como um participante social precisamos levar em consideração que a vida fora da escola contribui significativamente no seu desempenho dentro de sala, dessa forma, a avaliação deve ser contínua e diversificada para que independente do estado emocional e/ou psicológico ele seja avaliado como um todo em diferentes meios e formas.
            De acordo com o Despacho normativo n.º 17-A/2015 de 22 de setembro e da Portaria n.º 243/2012, de 10 de agosto, as escolas têm como dever divulgar os critérios gerais de avaliação à comunidade escolar. Dentro desses critérios, faz-se necessário considerar as questões apontadas anteriormente e, mais ainda, por ser um particular de cada escola, deve-se ainda levar em conta a realidade dos alunos com que se trabalham para que a grade avaliativa seja justa.
            Segundo o livro Indicadores da qualidade na educação do MEC em parceria com o INEP, UNICEF e Ação Educativa:
Indicadores são sinais que revelam aspectos de determinada realidade e que podem qualificar algo. Por exemplo, para saber se uma pessoa está doente, usamos vários indicadores: febre, dor, desânimo. Para saber se a economia do país vai bem, utilizamos como indicadores a inflação e a taxa de juros. A variação dos indicadores nos possibilita constatar mudanças (a febre que baixou significa que a pessoa está melhor; a inflação mais baixa no último ano indica que a economia está melhorando). Aqui, os indicadores apresentam a qualidade da escola em relação a importantes elementos de sua realidade: as dimensões. (Ação Educativa, 2004, p. 5)
            Para que esses indicadores representem bons índices é necessário um trabalho conjunto com toda a comunidade escolar e a avaliação entra de forma a aprimorar esse trabalho e contribuir para que os indicadores permaneçam bons, não apenas a avaliação constante do aluno, mas também a autoavaliação do professor sobre sua prática docente. No que tange as atitudes e valores consideram-se como indicadores de avaliação:
Ø  Empenho na aprendizagem;
Ø  Participação nas tarefas;
Ø  Cumprimento das tarefas;
Ø  Participação nos espaços pedagógicos de forma construtiva e organizada;
Ø  Sentido de responsabilidade;
Ø  Respeito pelos outros;
Ø  Capacidade de autonomia;
Ø  Capacidade de auto e heteroavaliação;
Ø  Presença do material necessário;
Ø  Assiduidade e pontualidade.
Lembrando que esses indicadores contam para os dois lados, o aluno não é o único “objeto” no processo de ensino aprendizagem e, como tal, todos os envolvidos nesse processo devem ser submetidos a essa avaliação que, reforçando o dito anteriormente, deve ser continuada, diversificada e heterogênea de modo a contemplar o aluno e seu desempenho escolar como um todo.

REFERÊNCIAS
HOMEPAGE. Aurélia de Souza, Critérios de Avaliação. http://ae-aureliadesousa.com/criterios.html acesso em 14/06/16 às 11:50
 HOMEPAGE. Nova Escola, A Avaliação deve orientar a aprendizagem. http://novaescola.org.br/formacao/avaliacao-aprendizagem-427861.shtml acesso em 14/06/16 às 12:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário