sábado, 5 de julho de 2014

Desativando

Oi blogueiros, eu passei uma semana fora e não achei justo da minha parte deixar vocês sem saber porque. Não tivemos resenha depois de O Resgate do Tigre, não teve música nem jogo da semana... Eu não consegui ler o livro que tinha pego, não tinha cabeça para escrever sobre nenhuma música, sinto muito. Eu não me sinto bem ha dias... Sem cabeça para trabalhar no meu livro, sem cabeça para nada... Passei esse tempo com a minha irmã, ontem eu descobri que ela foi admitida em uma faculdade em Recife. Eu estou feliz por ela blogueiros, não me entendam mal... Eu só... Não sei o que eu vou fazer sem ela. Crescer você pode pensar, é... Seria uma boa, acho que o problema é que eu não quero crescer. Nunca quis para falar a verdade, passei a odiar meu aniversário depois de descobrir que não era algo que eu podia evitar. Odeio isso. Odeio não poder ser inocente pra sempre, odeio não poder controlar a minha realidade como eu fazia com os mundos que eu criava, odeio descobrir que o príncipe encantado é uma farsa, odeio essa coisa que eu me tornei. Eu sou egoísta, admito isso com todas as letras porque essa é uma verdade sobre mim, eu não tenho orgulho dela, mas se eu não faço nada para mudar isso então não tenho também porque esconder. Quando crianças eu e a minha irmã brigávamos demais, a gente só tinha uma a outra e sempre foi assim, inventávamos nosso mundo de amigos imaginários e vivíamos nele mesmo quando estávamos no nosso habitual pé de guerra. Com o tempo nos tornamos amigas, as melhores amigas, inseparáveis, vivíamos grudadas uma na outra como se fôssemos siamesas, eu nunca consegui fazer nada sem ela, pelo menos nada bem feito, em todos os momentos da minha vida ela está lá, nos bons, nos ruins, nos médios, nos estranhos... Nos bons porque ela torna tudo especial, nos ruins porque ela faz tudo ficar melhor, nos mais ou menos porque ela sempre equilibra a situação, nos estranhos porque juntas nós somos um perigo biológico! É como se eu estivesse me despedindo de parte de mim, saber que vou acordar e ela não vai estar em casa para me azucrinar a paciência com o The Pretty Reckless, ou que não vai ouvir All That Remais a toda altura quando estiver com raiva... Eu não vou a lugar algum sem ela, além da faculdade e do curso de inglês, sabe um dia sem a minha irmã não é um dia, é um pesadelo. Mas eu entendo que é o futuro dela, que essa é uma oportunidade incrível que aconteceu e que eu estou sendo egoísta para variar um pouco, porque pela primeira vez em muito tempo eu vou estar literalmente sozinha. Mesmo nas vezes que eu me isolo, ela ta perto, enchendo pra ver um filme ou só pra saber se tá tudo bem... Não tenho ideia de como eu vou me virar sem ela embora saiba que é inevitável essa coisa de "cortar o cordão umbilical", uma hora ou outra a gente ia ter que se separar de qualquer jeito, só que eu evitava sempre pensar nisso... Eu estou tentando lidar com a situação de todas as maneiras que eu posso: já fiquei com raiva, já chorei, to evitando a minha mãe a quase uma semana, fico no quarto a maior parte do tempo, choro de novo, fico furiosa, calada, escuto música a toda altura, não escuto nada, vejo filmes, não consigo pegar num livro desde a última resenha, não consigo escrever, estou bloqueada. Já fazia dias que eu vinha me sentindo estranha, bom, agora eu acho que estou literalmente adoecendo se já não estiver bem doente. Nem o chocolate está resolvendo e quando o chocolate falha é basicamente um caso perdido!
Também ando revoltada com outras coisas... Mas nada que valha a pena comentar aqui, até porque assim como o caso da minha irmã não é algo que eu possa evitar, então eu não sei se o que está ganhando em mim agora é medo, ódio, dor ou revolta, a guerra ta acirrada. Pelo menos eu finalmente consegui o que sempre quis: isolamento. Tirei meu time de campo e fui realmente deixada em paz, minha mãe ainda não me torrou a paciência nenhuma vez, passo o dia no meu quarto e tenho minha privacidade o quanto posso, pelo menos isso! Também é oficial que esse ano a droga do meu aniversário vai ser cancelada como eu sempre desejei! Não gosto de comemorar esse dia estúpido, grande coisa eu ter vindo ao mundo! Olha pra mim? Não foi nenhum bem à humanidade nem fez a menor diferença U.U' é uma merda. Esse ano eu vou ter uma razão óbvia para passar o dia no meu quarto literalmente trancada com o telefone desligado e vendo algum filme deprimente de camisola ou lendo algum livro.
Então, por enquanto, eu estou desativando o blog... Eu sei que estou de férias e tudo mais e deveria aproveitar, pois é, não estou conseguindo descansar muito bem como perceberam, vou voltar pra merda da faculdade mais mentalmente exausta do que saí... Também que diferença vai fazer? Eu já estava desestimulada antes agora só vai ser pior. Faz uma semana que eu estou tentando buscar mil e uma razões para não deletar o Nyah, para não sair do curso de Inglês que volta no dia 14, sinceramente? Não me importa mais. Não tô nem ai. Quero que se dane e pronto.
Se eu ler mais alguma coisa, SE eu conseguir ler, eu publico a resenha quando terminar, se não... Bom, só quando eu conseguir voltar mesmo, se eu conseguir. Eu estou me sentindo um pouco menor que uma partícula de átomo...Tudo que eu quero é ficar sozinha, quieta, sem ver nem ouvir ninguém. Espero que me entendam blogueiros... E desculpem não ter avisado antes.

Até a volta.

The Lost Girl.

Um comentário:

  1. Oi, Kath!
    Eu sei, eu sou horrível em palavras amigas, eu sou uma infeliz que some a todo momento e volta como se nada tivesse acontecido. Mas eu realmente vou me sentir terrível se ao menos não tentar te deixar ao menos um pouco mais para cima.
    Bem... Primeiro quero te lembrar da primeira história que eu li sua, Sombras ao Sol. Lembra quando Sofia se afastou do Adam, que era um tudo para ela? Quando ela pensou que não ia suportar e quando mesmo depois de tanto tempo sem sua metade ela voltou inteira para receber um sentimento ainda mais intenso? Certo. Agora você provavelmente vai me dizer "Mas a vida não é uma fanfic", but... As histórias são espelhos do mundo real, não são? Um espelho meio quebrado, embaçado ou em outras vezes distorcido, mas continuam sendo um espelho.
    Vamos lá, eu sei que no começo vai ser difícil, já passei por isso, mas tenho certeza de que você vai conseguir ser forte apenas para ter o gostinho de no final (ou antes do final, uh?) disso tudo vê-la outra vez. Apenas tome cuidado para não se torturar tanto... Isso realmente vai fazer mal para você, além de que o tempo costuma passar mais devagar nos momentos ruins - se não puder torna-los bons, torne-os um pouco suportáveis, ao menos. É melhor que quebrar sua alma com tristeza.
    Eu realmente não sei o que falar, como eu disse, sou péssima nisso, mas saiba que eu sempre estarei aqui para o que precisar. Mesmo sumindo em outros momentos. Mesmo dando uma de fantasma - eu espero que um fantasma camarada (e bonito, hein!). Qualquer coisa me chama no chat ou me manda um e-mail, yay? Estarei sempre fazendo o possível para por um sorriso nessa sua carinha u-u
    (nem que eu tenha que imitar a mulher do Coringa, kolkolkol~ -n)

    ResponderExcluir