domingo, 12 de julho de 2015

O Reino Das Vozes que Não se Calam - Carolina Munhóz e Sophia Abrahão

Informações: 

Ano: 2014
Gênero: Fantasia, Romance
Editora: Rocco
Nota: ****


Sinopse: Se você encontrasse um lugar onde todos o aceitassem... Seria capaz de abandoná-lo? Sophie se esconde de todos e de si mesma: insegura, não consegue enxergar sua beleza e talento, e sente dificuldade em se relacionar com os outros. Seu dia a dia se perde entre os caminhos tortuosos dos que convivem com a depressão e o bullying, e a jovem aos poucos vai se fechando na escuridão de seus pensamentos. Desamparada e sem coragem de lidar com seus problemas, ela acaba descobrindo um lugar mágico: um Reino onde as vozes não se calam e as criaturas encantadas se tornam reais. Um local colorido onde ela finalmente poderá se encontrar. Dividida entre a realidade e a fantasia, Sophie contará com a ajuda preciosa de um rapaz comum e uma guardiã encantada, que lhe mostrarão os segredos da alma e a farão decidir se vale a pena enfrentar seus medos ou viver em um eterno conto de fadas. Espécie de conto de fadas contemporâneo, em que um mundo mágico é palco para uma história de autoconhecimento e o poder dos sonhos, o romance conta a história de Sophie, uma garota cansada de sofrer com a indiferença das pessoas até descobrir um Reino onde seus talentos são reconhecidos. Cedo ou tarde, porém, ela terá que decidir entre a realidade e a fantasia, numa jornada repleta de descobertas e desafios.


O que eu achei: Engana-se quem pensa que esse é um "inocente livro sobre bullying". A mensagem é bem mais pesada e intensa do que parece. Comprei esse livro pelo título, e imaginei doze mil versões dele na minha cabeça, mas nenhuma perto do que li. Tem o pássaro grande do Harry Potter com outro nome, só faltou mesmo as varinhas mágicas, mas havia magia sem elas. O livro é, na verdade, uma grande metáfora para o autoconhecimento, como viram na sinopse, Sophie (que eu ainda acho que é um alter ego da Sophia) encontra um reino mágico onde descobre que é herdeira do trona, "surpreendentemente" nesse reino ela é amada e aceita pelo que é, mas precisa superar três provas para poder assumir o trono e viver naquele reino para sempre. Afinal, por que ela iria querer viver em um mundo onde ninguém a aceitava? Onde todo mundo a julgava, machucava, maltratava e ignorava? Um mundo onde ninguém a ouvia? No reino ela seria feliz. Sophie é o reflexo de muitos adolescentes e jovens que vivem um mundo cheio de seres do pântano e são constantemente vítima de maus tratos por não terem a "aparencia padronizada". Sua busca pelas missões colocará Léo e Mônica em seu caminho e ao longo do processo ela vai descobrir que o sofrimento é necessário alguns momentos da vida para que possamos enxergar a magia que existe na nossa vida, ela precisará enfrentar o engano, a loucura e a morte para perceber que as criaturas do seu reino mágico também existe no mundo que ela sempre julgou cinza e sem vida. A história é bem equilibrada, alternando momentos cômicos com assuntos sérios e pesados. Tem uma filosofia por trás de toda a metáfora do reino que, inicialmente, fica difícil de enxergar embora você levante suas hipóteses, mas o final do livro é bem previsível. Mesmo assim você consegue aquela empatia com a personagem, principalmente se você ja viveu algo semelhante com o dela. Uma das coisas que me chamou a atenção no livro foi a forma como é abordado o tratamento psiquiátrico, como eu já me submeti a um percebi que no livro provavelmente ele foi visto sob a perspectiva da "elite" uma vez que não tinha quase nada a ver com o que eu fiz e de certa forma a personagem e eu éramos medicadas pelo mesmo diagnóstico: depressão. Achei o livro legal, foi o primeiro trabalho dessa autora que eu li e foi uma experiência boa, ela tem uma escrita simples, mas que consegue te envolver, o estilo me lembrou um pouco a Paula Pimenta, mas a estrutura textual da Carolina é mais comum e o que nos aproxima mais do texto.  Quatro estrelinhas.

5 comentários:

  1. Eu não sei, mas eu sempre tive um ''pré-conceito'' com esse livro por causa da capa. E confesso não ir muito com a cara das autoras. Odeio ter sentido isso, porque sei que a mensagem é muito importante e li resenhas falando super bem do livro. Não sei se compraria, mas acho que se eu tiver a oportunidade de lê-lo, com certeza irei!

    http://anneandcia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te entendo, Anne. Eu tenho essa relutância pelo fato de ela ser fanática por HP. Mas a história valeu a pena. Pelos posts de livro do teu blog acho que você iria gostar, então acho positivo deixar essa "impressão ruim" meio de lado e dar uma conferida nele se tiver chance! Vai valer a pena. Tem uns PDFs dele na net! ;)

      Excluir
  2. Vi Uma certa aparência com o Labirinto do Fauno...
    Xero moça!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me admira nada que tenha mesmo alguma influência, Lari. De Harry Potter tem.
      Super beijo sua diva linda!

      Excluir
  3. Vi Uma certa aparência com o Labirinto do Fauno...
    Xero moça!

    ResponderExcluir