sábado, 4 de agosto de 2018

[Livro] O Lorde Supremo - Trudi Canavan

País: Austrália
Série: Mago Negro #3
Título Original: The High Lord
Publicação: 2002
Gênero: Ficção Fantástica
Páginas: 624

Sinopse: Na cidade de Imardin, onde aqueles que têm magia têm poder, uma jovem garota de rua, adotada pelo Clã dos Magos, se encontra no centro de uma terrível trama que pode destruir o mundo todo.
Sonea aprendeu muito no Clã, e os outros aprendizes agora a tratam com um respeito relutante. No entanto, ela não pode esquecer o que viu na sala subterrânea do Lorde Supremo — ou seu aviso de que o antigo inimigo do reino está crescendo em poder novamente. Conforme Sonea evolui no aprendizado, começa a duvidar da palavra do mestre de seu clã. Poderia a verdade ser tão aterrorizante quanto Akkarin afirma? Ou ele está tentando enganá-la para que Sonea o ajude em algum terrível esquema sombrio?

Eu estou com falta de sorte nesses últimos livros da meta do ano, só pode!Gente, o que foi o final desse livro? Não vou dar spoilers dele como fiz com O Mensageiro, ao contrário deste, O Lorde Supremo quase dá sinais que algo vai dar muito errado no embate final, contudo, como a boa leitora romântica que sou fiquei esperançosa de um final feliz para o meu shipp, mas se há algo que aprendi sobre fantasia é que não se pode confiar em seus autores de maneira nenhuma.

Quase dois anos se passaram desde que Sonea fora pega como aprendiz do Lorde Supremo Akkarin, apesar de ser bem tratada, ela não gosta e nem confia nele. Todos os dias sente saudade do prédio dos aprendizes e da sua liberdade de conversar com Roten. Contudo, sabe que qualquer passo em falso pode coloca-los em perigo. Uma onda de assassinatos está colocando Irmadim em pânico e o clã parece envolto em uma tensão silenciosa, em parte, Sonea não pode deixar de pensar que Akkarin está por trás daquilo, porém o lorde supremo parece mais que disposto a fazê-la ver a verdade por si mesma e essa verdade pode por em cheque sua visão sobre o misterioso praticante de magia negra que comanda o clã dos magos.

Enquanto isso, Cery une força com Savara, uma misteriosa mulher sachakana, para matar os assassinos que estão chegando à Irmadim, todavia, ele sabe que não pode confiar nela e, tampouco, informar a seu “cliente” sobre sua aliança. Por outro lado, Dannyl está entrando em um terreno perigoso de magos rebeldes em Elyne, a mando do próprio Akkarin ele precisa descobrir quem são os infratores e usar sua relação com Tayend como isca para atraí-los, mas sabe que isso pode por a vida do seu amante em perigo, inclusive a sua própria. 

Todavia, tudo muda quando um dos magos é assassinado junto com toda a sua família e empregados e uma testemunha afirma ter visto um mago de túnica negra saindo da casa dele no meio da noite com uma faca pingando sangue nas mãos. Akkarin é logo chamado para dar explicações e, por estar fora de casa com Sonea no momento que os magos superiores vão à sua casa, chega tarde demais e eles já tem descoberto os livros de magia negra em sua casa, a partir daí os dois são presos e expulsos do clã e dos domínios de Kyralia. 

Por mais que Akkarin tenha avisado do perigo ninguém acreditou nele. Sozinhos em Sachaka, ele e Sonea buscam um meio de sobreviver e procurar provas de que dizem a verdade, mas não apenas pode ser tarde demais para avisar o clã do que está prestes a acontecer como pode ser tarde demais para lutar contra o sentimento que os une.

Eu sei que é um resumo um pouco pobre para um livro de 624 páginas, mas é que depois do final meio que desanimei para escrever sobre ele. A coisa é que essa trilogia é realmente muito boa, empolgante e com uma criação de mundo muito interessante, mas achei que ela deixou um personagem muito bom meio de lado, poderia sim ter explorado mais dele e dado-lhe um final melhor (não vou dizer quem é porque senão é spoiler) e isso me deixou muito chateada. Sem contar que a batalha final não foi exatamente como eu esperava.

Uma das coisas que mais curto nessa trilogia (vi que tem mais livros no mesmo universo, mas fiquei meio desanimada para ir atrás) é a metáfora que ela faz com a nossa sociedade, gente, dá pra encaixar direitinho no nosso mundo, as casas, as favelas, os ichanis, o governo até mesmo o clã e puxar essa analogia para a vida nos leva a refletir e repensar onde estamos errando todo esse tempo e é apenas por essa razão que eu recomendo fortemente a leitura da trilogia do mago negro.

Pessoal, eu acabei ficando doente (de novo!) então estou bem sem disposição para tudo... peço que sejam um pouquinho pacientes que, assim que puder, volto a atualizar o blog!

Nenhum comentário:

Postar um comentário