sexta-feira, 26 de julho de 2019

[Relendo&Resenhando] Julieta Imortal

Original: Juliet Immortal
Autor: Stacey Jay
Ano: 2012
Páginas: 240
Gênero: Romance, Fantasia, Releitura

Sinopse: Julieta Capuleto não tirou a própria vida. Ela foi assassinada pela pessoa em quem mais confiava, seu marido, Romeu Montecchio, que fez o sacrifício para assegurar sua imortalidade. Mas Romeu não imaginou que Julieta também teria vida eterna e se tornaria uma agente dos Embaixadores da Luz. Por setecentos anos, Julieta lutou para preservar o amor e a vida de inocentes, enquanto Romeu tinha por fim destruir o coração humano. Mas agora que Julieta encontrou seu amor proibido, Romeu fará tudo que estiver ao seu alcance para destruir a felicidade dela. Segredos, mistérios e surpresas envolvem este poderoso romance em que o casal mais famoso da literatura mundial tem a chance de contar sua verdadeira história.

É com o trailer incrível que eu quero abrir a resenha desse livro, uma resenha decente dessa vez porque a primeira que eu fiz estava horrível graças a ressaca literária de A Hospedeira. E, percebo, não consegui aproveitar completamente a primeira leitura desse livro, ainda que tenha me apaixonado pela história. Então, foi uma alegria que não posso expressar relê-lo nesse projeto.

Julieta Imortal conta a história mais famosa de todos os tempos, imortalizada por Shakspeare na tragédia mais recontada do planeta, sob a perspectiva da própria Julieta, uma adolescente de quatorze anos que se entregou a um amor intenso e foi traída por aquele que mais amava quando Romeu lhe deixou com um punhal no peito sozinha naquela tumba para morrer. Foi assim que ela se juntou aos Embaixadores da Luz para lutar contra Romeu, agora um Mercenário, e curar o mundo através do amor, funcionando como uma espécie de cupido e protegendo almas gêmeas, unindo-as em um amor tão intenso que as armadilhas de Romeu não poderá separá-las.

Para cumprir seu propósito, Julieta sempre habita por um período de tempo o corpo de alguma garota viva enquanto Romeu rouba corpos dos mortos e os dois se reencontram, dessa vez, da maneira mais inusitada possível. Julieta habita Ariel Dragland uma adolescente sem autoestima que está no carro com Dylan Stroud, um playboy que a humilhou quando ela descobriu que ele apostou 500 dólares com os amigos para tirar a virgindade dela. Ao olhar para Dylan, Julieta sente repulsa por ele, mas logo esse sentimento se transforma em medo quando o garoto abre os olhos e ela descobre que ele morreu e agora é Romeu que habita aquele corpo.

Na luta desesperada para salvar sua vida — e a de Ariel — ela consegue fugir do carro acidentado de Dylan e subir o barranco para procurar ajuda. É quando surge Ben Luna, um garoto novo na cidade que acaba sendo forçado a dar carona para Ariel impedindo que Romeu/Dylan a matasse. A atração entre os dois é imediata, Julieta não entende como pode se sentir tão emocionalmente abalada com a presença daquele estranho em especial porque Ariel não o conhece e aquilo não acontece com ela, seu trabalho ignora suas emoções, as almas gêmeas são tudo que importa. Ela sente que há algo diferente naquela encarnação sua, não somente por seus sentimentos avassaladores por Ben, mas porque não conseguiu contactar a Enfermeira, a embaixatriz da luz responsável por ela.

Ela percebe que Ariel tem muitos problemas e Julieta prevê que terá dificuldade em arrumar tudo, não apenas com a mãe da garota, Melanie, que tem uma espécie de mágoa e ressentimento acumulados de anos, além de Gema, a suposta melhor amiga que Ariel não vê ha semanas. E não bastasse seus problemas todos, ela acaba descobrindo que Ben é a alma gêmea de Gema que não o merece, a aura dele brilha tanto com o sentimento de amor que Julieta não consegue se conformar em deixá-lo para Gema, ainda mais, que não pode amá-lo por que não tem um corpo, não pode contar a verdade porque ele nunca acreditaria e, a pior parte, não pode aceitar o amor que ele diz sentir por ela.

Romeu lhe oferece uma chance de salvar a ambos, não apenas lhe revelando segredos poderosos sobre o mundo que ambos conheceram, mas afirmando que Julieta não pode confiar nos embaixadores, pois estavam mentindo para ela o tempo todo. Mas a única forma de salvar sua vida é amando-o outra vez, coisa que ela sabe nunca ser capaz. Ao começar a questionar toda a verdade do que fez nos últimos trezentos anos, Julieta começa a desvendar segredos obscuros do mundo da Luz e da Escuridão, a vida de Ben e Gema corre perigo quando o cruel Mercenário que corrompeu a alma de Romeu reaparece com sede de sangue, os espectros sombrios dos corpos mortos de Romeu e Julieta também estão rondando-os em busca de descanso — um ameaçador descanso! — para salvar Ben das mãos do mercenário, Julieta arriscará tudo que lhe resta, seu coração, sua alma e até mesmo a vida de Ariel.

Eu amo esse livro, simplesmente. Não apenas pelo fato de termos uma visão mais realista do que aconteceria além da tragédia, se Romeu e Julieta não tivessem seu fim trágico, a vida que levariam não seria nada como o "felizes para sempre" sugere, em especial porque amor sozinho não sustenta tudo, principalmente um fugaz e sem base como o dos dois. É legal porque somos levados a avaliar a relação deles de modo mais crítico, além dos monólogos longos e do intenso amor instantâneo que os uniu e, através desse olhar analítico, vemos todas as lacunas na relação deles que, desde o início, estava fadada ao fracasso não apenas pela rivalidade de suas famílias. 

É certo que às vezes Julieta é bem irritante, mas a diferença dela para livros como Amada Imortal, por exemplo, é que há uma base sólida para seu comportamento, suas ações são movidas por uma desconfiança válida de uma pessoa que a assassinou de maneira cruel, ela não tem a visão de fora que, de alguma forma, nós temos ao avaliar o contexto, ela não pode prever o que vai acontecer e essa ignorância se torna uma atenuante para suas ações por vezes inescrupulosas que não nos faz detestá-la, mas entendê-la e mesmo pensar o que faríamos no seu lugar. 

Outro ponto que gosto imensamente na história é essa carga mais puxada para o terror, não apenas nas cenas violentas que são bem intensas e mesmo cruéis, mas na representação dos espectros e das ameaças dos mercenários. A mitologia criada por Stacey se torna um que a mais no meio da velha guerra entre luz e trevas que ganha uma roupagem moderna e traz uma crueza que beira a realidade. O final do livro nos dá aquele gosto agridoce de felicidade e tristeza, mas para mim não deixou nem um pouco a desejar. Super recomendo para todo mundo que procura um bom romance. Julieta Imortal é forte, provoca algumas reflexões muito boas acerca dos relacionamentos, da conduta humana e até mesmo da religião em si — nada me tira da cabeça que toda a história Embaixadores X Mercenários não tem aquele fundinho de crítica religiosa — além de dar uma roupagem fascinante a Romeu e Julieta trazendo verossimilhança e atração para a história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário