terça-feira, 21 de janeiro de 2014

A Culpa é das Estrelas - John Green (Resenha)

Sinopse:
Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

Eu terminei de ler o livro hoje, tecnicamente levei três dias, comecei a ler dia 18, não li no dia 19 e terminei dia 21. Confesso que tive um ataque de choro gigante quando cheguei no capítulo 23 e aqui está a minha resenha para vocês:


Fora a sensação de não conseguir parar de chorar e quase ter sido incapaz de terminar de ler o livro, ainda estou tentando encontrar palavras que definam A culpa é das Estrelas, inutilmente. Elas não existem. Posso dizer que, literalmente, a culpa não é das estrelas, é do John Green. Esse não é um “livro sobre câncer” ou um “livro sobre alguém com câncer” embora a doença seja uma constante durante todo o percurso, esse é um livro sobre viver. Poucas vezes na nossa vida vamos nos deparar com uma história de amor tão real e tão sincera. São pessoas comuns, com sentimentos comuns que se tornam únicos, submersas em uma vertente de correntes filosóficas tentando encontrar o próprio sentido de existir e continuar existindo. A última vez que me lembro de ter chorado dessa forma com um livro, foi quando concluí O Pianista e me senti enojada da minha espécie. Quando você abrir A Culpa é das Estrelas esteja certo de encontrar e se envolver com o amor na sua forma mais real e intensa. De uma maneira que as pessoas de hoje em dia não compreendem mais, de uma maneira que as pessoas “reais” não conseguem mais sentir, de uma maneira que somos quase incapazes de demonstrar no mundo no qual eu sou obrigada a viver. Uma vez, uma amiga me disse que “ter pena de alguém é a pior coisa do mundo”, eu concordo com ela de uma maneira mais concreta a partir de agora, tenho um primo doente, com leucemia, e mesmo que seja um primo distante eu entendo melhor a sensação que ele deve passar quando pessoas se compadecem dele de maneira tão... “condescendente” como a Hazel diz, é algo desnecessário uma vez que tudo que ele quer é viver. O Augustus queria viver, a Hazel quer viver. No fim das contas todo mundo quer viver e estar doente não faz ninguém diferente de ninguém, são pessoas vítimas de um universo igual ao nosso, mas de uma maneira mais física. 
Confesso que eu não sou a fã numero um do “amor na realidade”, ou como costumo dizer, no amor fora dos livros... Mas gosto de acreditar que, se ele existir de verdade, que seja como o de Augustus e Hazel. No fim do livro o Augustus diz uma das frases mais reais que eu já ouvi: “Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo.” essa é uma verdade irrefutável, a maneira como lidamos com a dor é o que nos torna diferentes das outras pessoas e, como alguém me disse uma vez, as pessoas não tem o poder de nos machucar, nós escolhemos sofrer. O que posso dizer do livro é que, o final de Augustus Waters foi a maior hamartia que a história da literatura já viu.

Sobre o livro, é narrado por Hazel uma garota com câncer no pulmão que sobrevive graças a uma cânula ligada a um cilindro de oxigênio e a uma descoberta da ciência, o filanxifor (criado pelo John Green) que estacionou seus tumores. Em uma de suas sessões de terapia de grupo ela conhece Augustus Waters, amigo de seu colega de terapia Isaac, e os dois engatam em uma amizade divertida, emocionante e que gradativamente, se transforma em um amor sincero e lindo. Com todas as limitações que as doenças de ambos impõem, eles tem uma vida normal e se amam da forma mais completa e linda já expressa em um livro. Hazel é uma garota ultra inteligente, apaixonada por leitura e que espera a morte como alguém que espera a sexta feira ou o feriado da semana que vem, sem exageros e com o medo comum de quem sente a morte rondando, mas ao lado de Gus a morte parece uma inimiga distante, desconhecida. Augustus é engraçado, otimista e cheio de sonhos e ideais, impossível completamente ao leitor não se apaixonar por ele. ACEDE, como chamam os fãs, é engraçado, otimista, filosófico e muito, MUITO comovente. O tipo de livro que é impossível tirar da cabeça e do coração.

Adaptação Cinematográfica:
Com estréia prevista para 06 de Junho nos Estados Unidos, conta com Shailene Woodley (Divergente) e Ansel Elgort (Carrie 2013). Quando eu tiver a oportunidade de ver farei como fiz com A menina que rooubava livros, volto para dizer o que achei. O.K.?

Beijos pessoal! Até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário