domingo, 19 de março de 2017

Nigeru wa Haji da ga Yaku ni Tatsu

Título Original: 逃げるは恥だが役に立つ /Nigeru wa Haji da ga Yaku ni Tatsu
Também conhecido por:  We married as a job! / The Full-Time Wife Escapist
Ano: 2016
País: Japão
Episódios: 11
Gênero: Romance, comédia
Direção: Kaneko Fuminori, Doi Nobuhiro, Ishii Yasuharu
Roteiro: Nogi Akiko
Elenco principal: Aragaki Yui as Moriyama Mikuri
Hoshino Gen as Tsuzaki Hiramasa
Ishida Yuriko as Tsuchiya Yuri
Otani Ryohei as Kazami Ryota

Baseado no mangá de mesmo nome de Umino Tsunami

Sinopse: Mikuri Moriyama ( Yui Aragaki ) tem 25 anos de idade. Ela não tem um namorado e não tem um emprego, embora tenha uma pós-graduação. Todos os dias, Mikuri Moriyama tem uma sensação de que ela não é necessária. Seu pai, que não aguenta mais vê-la sofrendo, organiza para ela trabalhar como empregada doméstica. Seu empregador tem 36 anos de idade, Hiramasa Tsuzaki. Ele é solteiro e trabalha para uma empresa. Um dia, uma série de eventos levam eles a se casar como uma condição de trabalho, mas sua vida de casados vai dar certo?

Gente, que dorama mais amorzinho *-* sério, é pra ter overdose de fofura em cada episódio! Só pra explicar, não estou negligenciando o blog, tá? É que realmente tá tudo a maior bagunça a minha vida, sem contar que estou escrevendo três livros ao mesmo tempo, aí, amiguinhos, a situação tá ficando bem complicada. O livro que estou tentando ler atualmente não está sendo muito promissor, por isso ainda não saiu resenha, mas vou tentar ordenar tudo para essa semana. Agora, vamos falar desse drama gracinha!
Eu tinha ouvido muita gente falar desse dorama enquanto ele passava no ano passado, mas com Goblin e outros vícios, acabei deixando os dramas japoneses meio de lado. Esse ano, o Mahal começou a legendar, aí como eles disponibilizam um ótimo sistema para assistir online, comecei a ver. Conta a história de Mikuri, uma jovem formada e pós-graduada em psicologia que não tem namorado e nem um emprego fixo. Ela é estagiária em uma empresa e mesmo apesar de ser a melhor e mais eficiente funcionária é sempre demitida por alguém com uma capacidade inferior. Por isso, ela se sente sempre desprezada e não reconhecida. Até que seu pai lhe arruma emprego na casa de um engenheiro como faxineira, por ser muito boa com limpeza e estar desempregada, Mikuri acaba aceitando, sabendo que seu chefe em potencial é um homem exigente. O trabalho acaba dando mais certo do que ela pensava e ela vai conhecendo mais sobre seu empregador, um homem de 35 anos com quase nenhuma estima própria, tímido que só sabe resolver as coisas de forma racional, mas que reconhece o trabalho que ela faz e a admira por isso, o fato faz com que Mikuri se sinta, pela primeira vez, realizada com aquilo que faz. Entretanto, quando seus pais decidem se mudar para uma cidade no interior, ela vê seu trabalho em risco e faz uma proposta ousada para Tsuzaki, seu chefe, um casamento de mentira para que ela possa morar com ele de modo a ter um teto para viver e ainda poder continuar trabalhando.
O plano tinha tudo para ser perfeito, os dois eram racionais o bastante para levar o plano adiante, mas conforme a convivência avança e novas pessoas vão se envolvendo qual a probabilidade dos seus próprios sentimentos não começarem a se misturar com o trabalho? E mais ainda, os dois vão conseguir vencer suas diferenças para chegar a uma conclusão favorável à relação?
Falando assim, até fica parecendo meio sem graça, mas se eu explorar demais a história, por ser muito curta, vou acabar spoilando sem querer por ficar empolgada demais. Nigeru mexe com temas muito interessantes que nos deixam um pouco mais próximos da interessantíssima cultura japonesa, por exemplo, o modo como as mulheres solteiras são vistas sob o ponto de vista da sociedade machista japonesa (porque, meus amiguinhos, ela é muito machista), principalmente quando são bem sucedidas, aborda o caso das mães solteiras, da procura de emprego e da crise oferta-demanda. Como é vista a relação entre pessoas mais velhas com pessoas mais jovens, mas, um dos fatores mais importantes, como os homens pensam a respeito de relacionamentos e do casamento. Achei esses temas interessantíssimos para serem abordados no drama e como eles foram bem representados, sem contar a dinâmica dos relacionamentos entre os japoneses que é muito diferente da nossa. O drama é uma aposta certeira para pessoas que procuram uma comédia leve e um romance kawaii. 

PERSONAGENS CENTRAIS:

Mikuri-san é uma jovem de 25 anos que tem problemas com sua estima (embora inicialmente não se dê conta disso) formada em psicologia, tem a mania de analisar as pessoas, é muito dedicada em tudo que faz e o pequeno defeito de ser muito direta para tudo. Ela é cheia de ideias e na maior parte do tempo não se contem em expressá-las, o problema é que apesar de muitas das suas ideias serem realmente boas, ninguém dá muita atenção. Ela é fofa, extrovertida, inteligente e tem uma imaginação fertil demais para sua própria segurança. É meio impulsiva, tem um temperamento dócil e firme. Propõe casamento por contrato a Hiramasa para não perder o emprego, mas acaba se apaixonando por ele.

Hiramasa-san é um engenheiro inteligente e competente, um dos melhores na empresa em que trabalha. Aos 35 anos se considera um "solteiro profissional", nunca teve namorada ou qualquer relacionamento afetivo com uma mulher. Tímido, sem confiança em si mesmo, extremamente racional em relação a tudo e obcecado por organização vê sua vida e seus sentimentos virarem do avesso quando passa a conviver com Mikuri. O interessante desse personagem é que ele reflete uma realidade que é muito comum nos homens japoneses, segundo as pesquisas que já fiz e tudo que li, há uma tendência cada vez mais crescentes a eles se desinteressarem por relacionamentos, preferindo aderir à solteirice ou, ainda mais longe, a relacionamentos com animações ou uma vida de jogador online.
Achei muito bacana ele ir descobrindo o próprio valor conforme ia se aproximando de Moriyama, aprendendo a lidar consigo mesmo e com as emoções que cresciam. Acompanhar essa evolução dele foi incrível, principalmente quando ele se tornou ciente das inseguranças dela e soube contorná-las devidamente.

Yuri-san é a tia de Mikuri, como Hiramasa, ela é uma mulher bem resolvida que nunca quis se casar, apesar de ao contrário dele já ter vivido experiencias amorosas. Está na casa dos cinquenta anos e desacredita completamente que é capaz de se apaixonar nessa idade. Tem seus objetivos profissionais certos e luta com afinco e dedicação para manter a máxima eficiência no seu trabalho, principalmente devido ao machismo na sociedade japonesa. Acaba se apaixonado por Kazumi, 17 anos mais jovem que ela, mas reluta em admitir, primeiro pela enorme diferença de idade, segundo porque ele era o tipo que ela menos gostava no início.

Kazami-kun é o típico homem solteiro, bem resolvido, popular entre as mulheres (mas não galinha) que não quer se envolver profundamente com nenhuma mulher e, definitivamente, não quer se casar (tamo junto, parça!). É o primeiro a descobrir que o casamento de Mikuri e Tsuzaki é falso e acaba se interessando por ela principalmente pelo formato da relação que ela sugeriu ser o ideal para ele. Apesar dos joguinhos no início é quem mais dá força para a relação deles quando percebe que estão interessados um pelo outro.
Ele acaba se encantando com Yuri, a tia de Mikuri, principalmente pelo fato de ela desaprová-lo o que a torna interessante para ele. Conforme vai conhecendo-a profundamente vai se apaixonando por ela sem se importar com a diferença de idade entre os dois.

Nenhum comentário:

Postar um comentário