terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Perto do Limite!

Sumi de novo, eu sei. Na verdade, não tenho tido nada que valesse a pena dizer para vir pra cá, ainda não tenho... A minha vida está uma sucessão de coisas erradas, e mesmo assim eu tento fingir que tá tudo bem, que posso fazer não é?
Meu primo - aquele com leucemia - piora, melhora pra dar uma esperança e piora de novo... Agora, um dos meus tios está com o mesmo problema cardíaco que levou embora minha segunda mãe... Tem uma prima minha internada com pneumonia... Gente, juro que não sei o que é isso! Cada dia que passa tem mais gente morrendo - ou sendo morta - mais gente adoecendo... O fim do mundo ta acontecendo debaixo do nariz das pessoas e elas continuam preocupadas com a roupa que vão usar no dia seguinte!
Hoje o meu dia foi tipo... Indefinível! Primeiro o Raul autografou o meu livro - graças a insistência da minha irmã! - a minha sorte é que eu ainda não topei com ele em nenhum corredor! - Sorte minha. - Não sei, ele me deixa absurdamente nervosa e quando isso acontece é um sinal de perigo, prefiro manter ele longe de mim para evitar problemas u-u' mas o que me chateou realmente foi a falta de respeito com meu professor de literatura. Olha, depois de Gilberto, eu pensei que nunca mais teria um professor de quem fosse gostar tanto, é tipo dizer que estou estudando com um gênio! E eu estou! Mas ele tem tanto pra ofertar e as pessoas não estão nem ai! Hoje, na minha sala, só tinha comigo mais 03 pessoas que realmente estavam interessadas na aula. Isso é o mínimo do inaceitável!  Eu fiquei revoltada com isso, de verdade.
Amanhã tem aula de psicologia de novo, e é só o primeiro mês de seis! Faltam cinco! Daqui pra lá acho que sou eu que vou infartar de tanta raiva. Esses dias eu ando muito desestimulada para tudo, parece que as coisas perderam completamente o sentido, escrever, cantar, ler, viver. Aos poucos, eu estou desistindo, e a faculdade ultimamente tem me ajudado a desistir um pouco mais, eu até fico travada a maior parte da semana toda vez que me lembro que tenho que conviver com a maioria daquelas pessoas com quem não me sinto bem, e agora com adicionais! E quando penso que a tendência é piorar - sim, meus caros leitores, piora! - fico duplamente angustiada. Com tudo que está acontecendo, não há um só minuto que eu não fique com medo do minuto seguinte, com medo do que eu vou conseguir ou não fazer e, de repente, tudo parece tão idiota que me dá vontade de parar.
Quer dizer, a quem eu estou querendo enganar? Essa minha pretensão toda de "chegar a algum lugar" não vai me levar a nenhum lugar, são só sonhos. E sonhos são feitos para quando se está dormindo, eu nunca vou ser mais do que o que eu sou agora, e isso é incontestável. As minhas amigas - virtuais - tentam me animar, tentam me fazer acreditar no contrário, mas apenas porque elas gostam de mim, e quando gostamos de alguém fazemos de tudo para que essa pessoa se sinta bem, mas a verdade é que eu sonho para nada. Na verdade, ultimamente ando tão resignada que nem sonhar mais eu tenho me permitido. Não vale a pena. Nada mais nesse mundo de hoje vale a pena. Os dias vão passando e eu perco a fé em tudo, cada vez mais desestimulada com as pessoas, com as coisas  e comigo mesma, não consigo acreditar que algum dia achei mesmo que chegaria a algum lugar! É tão patético! Pouca gente sabe, mas eu sou o pior tipo de pessoa que existe, e digo que poucos sabem porque há poucos que me conhecem de verdade. Eu só queria encontrar um lugar para me enfiar e nunca mais sair. Esquecer que faço parte de um mundo onde não sou importante, onde tanto faz eu estar ou não estar, que diferença faria? Nenhuma. Eu não entendo para que eu ainda estou tentando, para que saio de casa e enfrento aquelas pessoas todos os dias, para que passo horas na frente do computador organizando palavras que nunca passarão disso: palavras perdidas e sem importância. Não sei pra que insisto nessa farsa que eu me acostumei a chamar de vida quando na realidade o fim das contas vai ser o mesmo: Eu vou morrer e nada vai mudar. Inclusive, terei muita sorte se conseguir que pelo menos uma pessoa sinta a minha falta. Não vale a pena. Nunca valeu. Não sei porque eu vim ao mundo, Deus não comete erros e eu queria muito saber pra que ele me fez, pra que eu to aqui, pra que eu sirvo! Porque até agora minha única utilidade foi chorar e tentar manter todo mundo o mais longe possível de mim. Não to dizendo que a vida não vale a pena blogueiros, ela vale sim, estou dizendo aqui que quem não vale a pena pra nada, sou eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário