terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Papo de Garota: Namoro não é brincadeira!

Então, eis o primeiro texto do projeto 100 Páginas (ou menos) Para Relações de Sucesso. É um texto simples e argumentativo opinativo sobre namoro e relacionamento afetivo abordando alguns outros aspectos que serão melhor desenvolvidos nas demais partes do projeto. Esse é o tópico um.
01. Namoro não é brincadeira!
            As relações do mundo de hoje estão muito banalizadas. Não digo isso apenas pela livre discussão sexual que rola solta ou mesmo por essa “perversão” que parece ter tomado até mesmo a cabeça das crianças. No mundo de hoje, namorar parece ter virado uma coisa para se livrar das gracinhas das amigas, para provar que você é “homem” ou por simples necessidade de viver com a boca grudada em alguém. Só que as coisas não são assim.
            Algumas meninas – e se você é uma delas, preste atenção nisso. – acham que ter um namorado é a coisa (ou uma das) mais importantes na vida; se ela não tiver alguém que ela ache “amar” e que a faça se sentir desejada, o mundo não vale a pena. Só que a história não é bem por aí, namorar é simplesmente o ato de se relacionar e manter fidelidade a alguém que faz com que você se sinta bem, é uma amizade mais intensa.  Primeiro: para se ter um namorado é preciso ter em mente que o universo não gira em torno dele, porque de fato não gira! Você precisa ter outras prioridades e pensar no seu futuro seria uma ótima escolha. Não estou dizendo para não namorar, estou dizendo para não colocar o seu namorado antes de toda a sua vida.
“Mas quando a gente ama quer estar sempre perto.” Em primeiro lugar, você não “ama” ele está bem? Falaremos sobre isso num tópico mais a frente, mas um dos grandes erros que eu vejo em meninas de treze, quatorze anos é achar que ama o namorado e que aquilo vai durar pra sempre. RARAS vezes isso acontece, e na maioria dessas raras vezes acontece em livros. Tenha em mente que você vive no mundo real – ou pelo menos deveria – e ficar sonhando com o carinha perfeito que a Jane Austen ou a Stephenie Meyer criou não vai te ajudar em nada, vá por mim.
            Se quiser mesmo namorar alguém, faça-o porque a companhia do outro vem a acrescentar na sua vida e não porque a sua vida depende disso. Namorar não é passatempo: é uma troca de experiências, de pensamentos e sentimentos, antes de tudo é uma amizade e isso é importante frisar.  A amizade é a base de tudo e a pessoa que disse isso não estava equivocada, a falta de companheirismo e de amizade acabam com muitas relações por ai, muita gente acha que porque está namorando isso é um passo depois da amizade quando na verdade é um passo a mais. A amizade deve se fortalecer e não ser deixada de lado. Outra coisa muito comum é você se apaixonar pela ideia que tem de uma pessoa, e não por ela propriamente dita. Isso tem um pouco a ver com a aparência também, a maior parte das garotas olha logo se o menino é capa da capricho ou lembra o Orlando Bloom, aí começam a mentalizar como ele deve ser maravilhoso sem, no fim das contas, conhecê-lo de verdade. Parem com isso, sim? Por mais que vocês não queiram pessoas “feias” elas também tem sentimentos, ok? E mais uma coisa: não esqueçam que é o que tem dentro de alguém que faz com que a pessoa seja bonita e não a “casca”. Vejam esse exemplo:
            A menina conheceu um rapaz dois anos mais velho que ela enquanto estavam em uma festa íntima na casa de um amigo. Ele era absolutamente lindo, olhos azuis, pele olivácea, cabelos negros cortados curtos, o corpo mais atlético e perfeito quanto possível e tinha um sorriso de tirar o fôlego. Ela decide que ele é o cara mais lindo do mundo e, só olhando pra ele, já acha que é um Augustus Waters da vida, então com todo o seu charme e bom papo ela se aproxima e puxa conversa com ele.
            Logo, por baixo de toda aparência de modelo da Vogue, aparece um rapaz arrogante, fútil, sem nenhum papo interessante, que só se importa consigo mesmo e com a sua “reputação de machão”. Pensa que todas as mulheres caem aos seus pés e que são troféus que ele leva para cama e no outro dia não lembra nem o nome. Aí, o cara bonitão de antes, se torna tão feio diante dos olhos da menina que o encantamento desaparece, isso quando seu coração não acaba ferido no processo.
            Não ache que só os americanos são assim. Quando conhecer uma pessoa, conheça-a por inteiro, saiba como e quem ela é para depois dizer que está apaixonada. Não seja daquelas que só se apaixona por músculos e rostinho bonito, se apaixone por atitudes e inteligência para depois não ficar por ai dizendo que “seu coração não suporta mais tanta dor e decepção”. Não entregue seu coração para o primeiro cara que vir só porque “gosta dele” ou acha que o ama. Seu coração não é brinde, seja justa com ele e, antes de qualquer coisa, seja justa com você mesma.
            Ainda falando sobre namoro, outra coisa que observo com certa frequência é como certas garotas “se anulam” em função do namorado. Isso é uma das coisas que mais me irrita. “Não posso ir porque fulano não deixa.” “Desculpa amiga, mas vou ter que recusar porque meu namorado não ia gostar se eu saísse sem ele.”, “Não vai dar, ele me proibiu de ir.” Galera isso definitivamente não existe! Quem disse que namoro é um contrato de servidão? Em primeiro lugar deve-se existir confiança mútua, e isso vem desde a amizade, e você não pode e nem deve esquecer suas amizades, sua vida e as coisas que fazem bem só porque o “lindo” do seu namorado não quer que você vá na esquina. São coisas como essa que se leva para o casamento e dois meses depois estão brigando em um tribunal para se livrar um do outro ou pior, na delegacia por agressão. Tenha em mente: nem você é dona do seu namorado e nem ele seu dono. Se vocês não compartilham de todos os gostos então façam acordos: ele quer ir ao jogo de futebol e você odeia? Então vá para casa de uma amiga, marque para ir ao cinema com seu melhor amigo, vá ler um livro. Faça algo que lhe dê prazer. Procure também coisas das quais vocês possam compartilhar, é muito bizarro ver casais brigando sem nem ao menos tentar! Outro exemplo:
Lá está ele de novo jogando videogame. A namorada, louca por atenção, fica se sentindo de lado e furiosa porque ele está cem por cento focado no jogo e não nota a presença dela.
            Isso é comum como ver cãezinhos abandonados. Uma solução? Porque ela não aprende a jogar videogame também? Algumas de vocês podem não saber, mas jogos aumentam a capacidade cognitiva, auxiliam a percepção, a coordenação motora e o raciocínio lógico. Sem falar que é muito divertido. Mas não estou dizendo isso só para as meninas não, o namorado também tem que ceder, se envolver em algo que você goste e tentar fazer parte disso. Para quem namora isso é importante, compartilhar gostos, momentos e não ficar só se agarrando como se namorar fosse só isso.
            A meu ver, essa história de ficar veio para acabar com qualquer noção de relacionamento. Pode parecer antiquado e eu realmente não dou a mínima para isso, mas não concordo nem um pouco com essa concepção ridícula de relação sem compromisso. Venho de uma época onde pessoas se conheciam, se tornavam amigas e se gostavam de verdade. Aí sim, tentavam namorar e ver se dava certo. Hoje em dia as pessoas se juntam em uma espécie de orgia relacional onde pouco importa como você se sente, apenas se pegam para sanar o vazio enorme que tem por dentro porque são, na maioria dos casos, incapazes de permanecer cinco minutos consigo mesmas. Isso é muito triste. Essa atitude dissemina o estereótipo de “pegador” para os caras e de “vadia” para as garotas e, curiosamente, esses mesmos rótulos fazem com que os relacionamentos sejam pouco levados a sério, que os sentimentos fiquem cada vez mais em segundo plano, e que vocês mesmas se coloquem em segundo lugar como pessoa porque só estão se importando se “ficou com fulano”, se “cicrano está vendo” e se “beltrano está olhando pra você.” Nunca vou conseguir ter vontade de fazer parte de uma sociedade tão mesquinha e alienada.

            Bem, então com isso eu encerro o tópico namoro. Espero que esse pequeno pensamento tenha servido para alguma coisa, afinal duvido muito que você tivesse chegado nesse parágrafo se tudo que eu disse acima fosse completamente inútil pra você. A dica é: converse, conheça, compartilhe, você vai ver que namorar é o ato de estar perto de alguém que você gosta, que respeita e te aceita como você é, que não te priva de nada e que acrescenta na sua vida ainda mais felicidade e bem estar. As vezes o namoro não é eterno, mas isso não significa que o seu mundo acabou e seu coração nunca mais vai se recuperar, significa que você tem a chance de começar de novo. Lembre-se: “Deus não tira nada de você, ele te LIVRA.” Então viva o momento e “que seja eterno enquanto dure.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário