quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Tudo que eu queria era sentar e chorar!

Sabe aqueles momentos que parece que você está pelo avesso? Pois é, e eu não descobri que o avesso é o meu lado certo como dizem por ai. Hoje foi um daqueles dias em que tudo que eu queria era me trancar no meu quarto e chorar horas a fio para ver se eu conseguia colocar pra fora pelo menos metade do que está me sufocando, o problema é que eu não consigo mais chorar... As coisas vão acumulando dentro de mim, estou vendo a hora de explodir e não consigo colocar nada para fora. Eu estou odiando essa ideia de fazer aula com o pessoal de história, odiando ao extremo da coisa, está na cara que eles nos suportam tanto quanto nós a eles, em outras palavras nada. Também estou absurdamente cansada do pessoal da minha sala, me dá nauseas só quando eu imagino que vou ter que ir para lá de novo, definitivamente a faculdade se tornou meu calcanhar de Aquiles. Eu tenho vontade de colocar as mãos na cabeça e gritar o mais alto que eu puder! Hoje eu até que senti uma vontade enorme de chorar, mas não saiu nada... Prevejo que quando eu explodir a coisa vai ser tensa. Ainda sem falar nesse livro dos infernos que parece que não acaba nunca, desse fim de semana ele não passa! Por isso que a resenha vai sair tão tarde e logo vocês vão saber a razão de eu estar dizendo isso.
Para completar o meu dia nada bom, ainda tem o R. Hoje, infelizmente tivemos que conviver mais que o necessário, no ponto de ônibus, acredite, só essa breve aproximação de nada foi suficiente para quase me fazer explodir, mas não me entendam errado, o problema não é eu não gostar do R. eu não tenho nada contra ele, sério mesmo. Ao contrário do que pensam, eu não o odeio nem nada. A única coisa que me faz querer manter a distância daqui até o Pólo Sul dele é o que ele provoca em mim, as coisas que ele me faz sentir e que eu não quero sentir. Não gosto de coisas que eu não posso controlar. Simplesmente isso. O R. é uma pessoa incrível que vale a pena conhecer, mas não gosto das coisas que ele causa em mim e por isso prefiro manter a máxima distancia que puder dele, é mais confortável pra mim. Só o minimo momento do ponto de ônibus até a chegada no ponto de parada eu fiquei gelada, tremendo, enjoada, com o estômago revirando, tensa, nervosa como se estivesse prevendo uma batida! E eu não gosto de sentir essas coisas, é incômodo, desconfortável, ruim. 
A semana ainda não acabou, mas estou com real medo de abrir os olhos amanhã e imaginar o que eu vou ter que enfrentar nas quatro horas dentro daquela sala de aula.

2 comentários:

  1. Kath, eu passei por isso. Eu tentava, me esforçava, me cortava, acabava comigo de todas as formas possíveis, mas não conseguia chorar. Era uma sensação de vazio tão extrema dentro de mim que não havia nem ao menos lágrimas! Era frustante querer me acabar em lágrimas e não conseguir. Esse é um sintoma da depressão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não "passou", ainda está passando e precisa de ajuda. Não demore a procurar, e não deixe pra fazer quando for tarde demais. O tempo é cruel Tainá, experiência própria.

      Excluir