sábado, 12 de novembro de 2016

Ainda não é o fim!

O fim do mundo virou moda! Gente, não pode chover que todo mundo fica espalhando atrocidades sobre o fim dos tempos, a volta de Cristo e essas coisas. Já pararam pra perceber que só esse ano, se não me engano, sobrevivemos a 3?! Eu confesso que, muitas vezes, cheguei a ficar preocupada com algumas coisas, ao ponto de ficar angustiada, mas, como Deus é bom, hoje eu fui à missa e no jornalzinho O Domingo veio essa mensagem nessa semana:
Muitas pessoas tendem a identificar as catástrofes naturais, os conflitos e as guerras entre nações como o "fim do mundo", mas Jesus nos alerta: !ainda não é o fim. A história da humanidade continua, apesar dos problemas, dificuldades e crises. O Evangelho de Lucas foi escrito pelo final do primeiro século depois de Cristo. O que é relatado no texto de hoje praticamente já havia acontecido: a guerra judaica contra a ocupação romana ("quando ouvirdes falar de guerras e revoluções"); a cidade de Jerusalém e o templo destruídos ("dias virão em que não ficará pedra sobre pedra"); a perseguição dos romanos a Jesus e as lideranças das comunidades ("um povo se levantará contra outro povo"); as autoridades das sinagogas contra os judeus que aderiram a Jesus ("hão de vos prender e perseguir"); a crise que a boa nova de Jesus gerou nas famílias ("sereis entregues pelos próprios familiares"); os terremotos no império romano (Laodiceia e Pompeia) na década de 60 ("haverá grandes terremotos"). Portanto, tudo isso eram fatos passados e o fim do mundo não se concretizou.
O fato de que essas coisas continuam acontecendo não é um sinal do fim dos tempos, é um sinal de que o homem se afastou e tem se afastado de Deus continuamente, é um reflexo da falta de fé, da ausência dos ensinamentos do Senhor. E continua:
Mais do que assustar, Jesus convida ao discernimento, ao testemunho e à perseverança, superando o medo: "não fiqueis apavorados". Diante dos conflitos descritos acima e dos enfrentados nos dias de hoje, o evangelho quer impulsionar as comunidades a não desanimar, mas continuar firmes na fé e no compromisso com um mundo melhor, isento de conflitos, violência e intolerância. Todos esses problemas não são sinais do fim de tudo, mas chamam a um compromisso maior ainda para reverter a situação. As pessoas e as comunidades necessitam de muito discernimento ("cuidado para não serdes enganados") diante das muitas propostas perversas para a solição desses conflitos. Tenhamos cuidado para não ser ludribiados, pois não há  "fórmulas mágicas" para construir uma sociedade mais humana e justa. Nas palavras do teólogo Pagola, "os tempos difíceis não devem ser tempos para lamentações, a nostalgia ou o desânimo. não é hora de resignação, de passividade ou da omissão. A ideia de Jesus é outra: em tempos difíceis 'tereis ocasião de dar destemunho'" (Pe. Nilo Luza, ssp)
Achei uma mensagem muito pertinente e decidi compartilhá-la com vocês aqui, mais como uma reflexão e um alerta para as muitas mensagens de falso fim que ainda aparecem no nosso meio. O mundo só estará realmente perdido quando a esperança desaparecer completamente do coração das pessoas, tal qual a fé.

2 comentários: