segunda-feira, 18 de junho de 2012

Holding On

Pois é, estou vivendo uma hora de cada vez pela primeira vez na minha vida, a ansiedade deu um tempo indeterminado na minha vida, não me importo mais com o que vai acontecer daqui a uma hora ou a um ano... Depois de tudo que tenho passado esses dias algumas coisas permaneceram na minha mente outras se modificaram.
Dizem que tudo na vida tem o seu lado positivo, é mesmo verdade, nada acontece por acaso mesmo, por pior que seja tudo tem um propósito. A parte boa disso é que pela primeira vez a minha mãe ta participando ativamente da minha vida e isso ta sendo muito positivo pra mim, ontem eu abracei ela e chorei, e percebi o quanto foi bom desabafar sentindo o carinho dela, sentindo aquele apoio.
Não precisar fingir ou esconder nada dela é muito confortável e me faz muito bem. Ela sabe porque eu to triste e se empenha em me dar força e me ajudar a passar por isso, assim como todos os meus amigos virtuais que estão sendo um apoio precioso nesse momento, a força deles, o carinho é algo que eu não poderia prever de longe! Está me fazendo um bem enorme em meio a toda essa tempestade. Ontem eu fui para casa da minha avó com a minha mãe, precisava sair um pouco de casa, respirar ares diferentes, esquecer um pouco a dor dentro de mim. E foi muito legal, consegui rir, conversar, me distrair...
Ainda to triste com o que aconteceu, não espero que isso vá passar tão cedo, vai doer muito ainda, mas depois de mais de dez anos de depressão, ignorar a dor nao é lá um problema. Eu tenho pensado em muita coisa esses doas, no que tem acontecido, no que eu tenho progredido, na minha concepção sobre algumas coisas, no que mudou e no que continua mudando. Para mim não é mais tudo tão definitivo. Eu aprendi da forma mais difícil que o para sempre não existe são apenas duas palavras soltas. Superei meu medo de gravidez, minha aversão pessoal por crianças e isso não mudou. Mas a vontade de ser mãe foi deixada de lado. Não quero mais isso, em um futuro distante talvez eu chegue a adotar um bebe, mas ser mãe biologicamente, assim como me casar não esta mais nos meus planos.
Retornei ao pensamento anterior de ser uma "solteira realizada", essa coisa de relacionamento não da pra mim... Acho que no fundo David estava certo, eu não nasci pra isso. E mesmo que eu me decidisse tentar outra vez sei que não daria certo, a gente só entrega o coração uma vez, eu entreguei o meu completamente e não importa quanto tempo passe, isso não vai mudar. Então, se o dono dele não o quer mais, prefiro deixar ele guardado de qualquer futuro dano pior do que o que ele ja sofreu. Não vale a pena arriscar mais do que eu ja perdi.
Ganhei um presente no trabalho voluntário na sexta passada, e foi um presente e tanto rsrsrs espero logo ter força para fazer uso dele. Vai me proporcionar um bem estar muito grande ^^ tirei uma foto deles pra mostrar a voces:


São três cursos fáceis completos com cd. Eu fiquei muito feliz com isso e olha que eu não sou muito boa em ganhar presente não, é um habito que eu não costumo deixar as pessoas manter comigo rsrsrs. Eu sei é estranho!
No momento eu estou meio sem vontade de me dedicar verdadeiramente a alguma coisa, mas logo que eu me sentir melhor vou passar a estudar com certeza. O vestibular está ai e eu to animada com a idéia de entrar na faculdade. Mes que vem eu vou dar um up no meu cabelo, minha prima falou comigo ontem e eu estava pensando que isso poderia me fazer bem também, dar uma maneira diferente para eu olhar para mim mesma, me sentir renovada como essa fase que eu to tentando me inserir... Não é facil voce perder alguem que ama muito... É como se parte de voce morresse... Mas a diferença está na maneira como voce lida com a dor, esse foi um aprendizado que eu vou levar para sempre comigo,  e eu finalmente aprendi o jeito correto de lidar com a dor, entender o que acontece, tirar lição daquilo e seguir em frente por mais impossível e difícil que seja... Esse é o caminho. Ainda tenho vontade de chorar, ainda me sinto abatida e triste com o que está acontecendo, não está sendo difícil passar por isso, mas eu sei que eu sou forte o bastante, e o fato de saber que não estou sozinha  me deixa um pouco mais segura para seguir em frente. Como diz Delta Goodrem na letra de Bare Hands: "Se voce não sangrar nunca vai entender" ela está certa. Um pouco de dor faz voce se sentir vivo. Eu estou me levantando, com um passo de cada vez eu vou conseguir caminhar outra vez, afinal quando a gente perde uma parte da gente tem que aprender um meio não apenas de viver sem ela, mas uma maneira de fazer com que a falta dela não seja motivo para nos derrubar diante da vida. Força de vontade não é apenas uma expressão vazia e ser feliz é uma escolha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário