terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Enjoada

Estou no meio de um infeliz impasse... Como se eu fosse bipolar, não tenho mais domínio sobre as minhas emoções e vocês não imaginam como isso me frustra! Eu não consigo mais chorar, não desabafo completamente, os nós ficam entalando na minha garganta, eu fico tensa, tonta, enjoada, mas não consigo por a agonia pra fora, não é como antes. Não sei se de tanto fazer uma represália mental para não chorar na frente das outras pessoas... Ou se porque o tratamento tirou de mim até mesmo a chance de aliviar o peso das minhas emoções ruins. Amanhã tem uma reunião com dois representantes de cada sala, estava acordado que eu acompanharia a representante da minha sala, mas não vou mais. Ano passado ele estava envolvido nessas reuniões e tenho medo de encontrá-lo lá... Pedi que uma das minhas amigas fosse me representando, toda vez que eu o vejo as sensações ruins voltam com o dobro de força... A vontade reprimida que eu tenho de chegar até ele, abraçá-lo bem forte e apenas sentir... Sem esperar ou pensar em mais nada... Isso queima dentro de mim, como se me matasse por dentro cada dia. Só queria que passasse...
A aula de Latim hoje foi maravilhosa, eu havia levado a música Adeste Fideles para o meu professor, mais como um pedido para tradução do que propriamente dito sugestão embora eu tenha feito implicitamente a sugestão de aula que ele de prontidão atendeu para minha alegria. Ele a levou para a sala e traduziu junto conosco explicando as palavras de cada declinação, dando algumas dicas importantes e passando conhecimentos novos sobre as palavras que ainda não tínhamos estudado e sobre a declinação que ainda estou quebrando arduamente a cabeça para aprender. Ele é demais, os únicos professores que até agora eu literalmente tenho carinho inestimável são: O de Latim, o de linguística e o de Leitura e produção de texto. Se o meu curso se resumisse apenas a eles eu me sentiria uma profissional muito melhor em qualquer área que dizem que serei capaz de atuar. Só o meu professor de linguística poderia se encarregar de Inglês, literatura e mais da metade das matérias irritantes que somos obrigados a ver como Organização da Educação Básica! Queria me livrar de pelo menos metade dessa pedagogia, sem falar que eu ainda odeio prática pedagógica, ainda não tenho certeza se pelo trauma do magistério ou se pelo simples fato de ela ser pedagógica e obrigatória duas palavras que eu literalmente detesto!
Eu dei uma piorada federal esses dias, desanimada, desestimulada, deprimida, desolada, deep down e qualquer outro D de depressão que você imaginar! E isso de não conseguir chorar vai me colocar em encrenca, porque na hora que eu desabar... Vai ser de vez. Eu já conheço esse filme.

Nenhum comentário:

Postar um comentário