terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Nada bem...

Agora é oficial, eu nunca mais quero me apaixonar de novo! Isso é sem sombra de dúvidas a pior coisa que pode acontecer com uma pessoa. Pelo menos, ao contrário de antes eu não fico mais batendo na mesma tecla quando a pessoa não me quer, eu digo o que eu sinto e se não dá pronto eu esqueço, embora dessa vez esteja sendo incomodamente mais difícil, mas não impossível. Não adianta nada ficar triste ou sofrer por alguém que não quer você, ainda mais no meu caso em que eu já tenho outras coisas com o que me preocupar. Eu to na fila da bolsa de estudos e já to preocupada com os projetos de intervenção, eu nunca fiz um projeto e no maldito normal médio não ensinaram a gente a fazer, vivenciar ou planejar projetos pedagógicos eles estavam muito ocupados enchendo o nosso saco com um monte de vídeos tirados Deus sabe de onde. E as aulas de prática então - riso sarcástico - Uma piada! Estou tentando montar um grupo de estudo com uma amiga minha, as aulas começaram segunda feira pra valer e eu já tenho o suficiente pra estudar como se elas tivessem começado em Janeiro! Provavelmente a "estréia" de Avalanche não vai acontecer. E por um lado não estou achando isso  muito ruim. Acho que eu não estou pronta para lançar um livro... Não tenho recursos para isso e mesmo nesses sites de "publicação gratuita" você precisa sempre de um monte de coisas que custam algo que não posso pagar agora.
Eu estou começando a desconfiar literalmente da minha sanidade. Faz uns dias que tenho ouvido barulhos estranhos quando estou sozinha, se eu não estiver ficando paranoica  com certeza estou ficando louca. Claro que eu não comentei isso com ninguém, mesmo querendo ganhar um ingresso de férias no hospício não vou sair por ai espalhando barulhos estranhos que eu nem posso atestar de onde vem na maioria das vezes, que dirá explicar como são;
Nesses últimos dias as coisas tem ficado muito mais complicadas do que poderia imaginar, além da angustia constante provocada pela incerteza da minha vida e das minhas escolhas, ainda tem aquela mania irritante que eu tenho de sofrer por antecipação de coisas que nem aconteceram ainda! Como esse bendito projeto da bolsa. Eu não me considero uma má aluna, pelo menos eu tento me esforçar, tiro notas razoáveis, cumpro com os prazos de entrega, admito que não dou tudo que posso, podia me espremer bem mais... Só que não consigo organizar o meu tempo por dinheiro nenhum e isso está começando a me frustrar ainda mais.
Eu estou numa fase meio esquisita, como já faz mais de dois meses que eu não tomo nada os sintomas da depressão estão voltando de forma meio estranha, como se ainda estivessem parcialmente sob efeito dos medicamentos anteriores, eu não tenho problema em me comunicar quando preciso, mas tenho um problema sério em me relacionar com as pessoas, a mania de me isolar e pensamentos como "funciono melhor sozinha" começaram a voltar... A necessidade não de chorar, mas de ficar longe das pessoas, de construir muros em volta de mim e impedir que qualquer pessoa derrube, ou tente. Em contrapartida, eu tenho me sentido absolutamente desprovida de amigos, não consigo pensar em uma única pessoa a quem eu possa recorrer, porque simplesmente não há nenhuma pessoa! Eu tenho ótimos colegas, e sou literalmente muito boa em ouvir, mas não tenho nenhum amigo para falar, porque amigo hoje em dia é tão fácil quanto nota de três reais. E nunca, desde a morte do David, eu senti tanta falta de alguém pra ficar comigo como tenho sentido agora... Inclusive tenho tentado criar um amigo imaginário há dias, mas sem muito sucesso, parece que perdi a prática de imaginação. Saudade de ser criança.
Sabe quando você se sente completamente deslocado de toda a sua própria vida? É assim que eu to me sentindo agora, como se eu tivesse passado muito tempo em coma e... Agora acordei no meio de um monte de coisas acontecendo e eu não faço parte de nenhuma delas. O Julio sempre dizia que eu cobrava muito de mim mesma... Talvez a solução de muitos problemas esteja ai, mas eu não sei como não fazer isso comigo uma vez que eu preciso manter uma possível bolsa, que eu preciso aprender Inglês, preciso tirar boas notas e tenho essa necessidade incontida de aprender sempre mais, mas não de tudo que eu deveria, principalmente do que me interessa. Enquanto isso eu continuo me achando uma péssima escritora, péssima pessoa, péssima filha, e todos os outros péssimos que se passarem na sua cabeça. Eu dificulto as coisas pra mim mesma, essa é uma verdade incontestável. Estou frustrada comigo mesma... Decepcionada, desmotivada para absolutamente tudo. E o que mais me assusta: Sozinha no meio do meu próprio apocalipse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário